Jovens e polícias envolvem-se em confrontos após Tomada de Caracas

Polícia usou gás lacrimogéneo contra grupos de jovens encapuzados que atiraram pedras contra os agentes

Jovens encapuzados lançaram pedras e cocktails molotov contra as forças de segurança venezuelanas que responderam com gás lacrimogéneo, segundo a agência Reuters.

Os incidentes ocorreram após o fim da Tomada de Caracas, um protesto convocado pela oposição para exigir a realização de um referendo revogatório contra o presidente Nicolás Maduro.

Depois do fim pacífico da manifestação, que terá reunido um milhão de pessoas na capital, algumas centenas de jovens envolveram-se em confrontos com a polícia numa autoestrada que estava fora da rota traçada para os protestos.

Segundo a Mesa de Unidade Democrática, os eventos foram provocados por pessoas infiltradas com o objetivo de gerar problemas.

Várias pessoas foram detidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.