Adolescentes atuam nuas em espectáculo escolar na África do Sul

O ministro da Educação pediu a abertura de um inquérito para apurar responsabilidades

Um grupo de adolescentes, de um conjunto coral, atuou nu num espectáculo escolar, na África do Sul, deixando os pais indignados. Os encarregados de educação pediram mesmo ao ministro da Educação que levasse a cabo uma investigação sobre o assunto.

O ministro Angie Motshekga, citado pelo Times Live, disse ter ficado "extremamente desiludido" com o sistema de educação depois de ver as imagens da atuação, onde as jovens, pertencentes ao grupo étnico Xhosa, dançavam vestindo apenas o pequeno avental tradicional da tribo, conhecido como "inkciyo".

Apesar de o traje ser tradicional, a atuação das jovens na Universidade Walter Sisulu causou choque depois de ter sido divulgada nas redes sociais.

"É completamente inadequado os educadores exporem as adolescentes desta forma. Não há absolutamente nada de errado em ter orgulho da nossa cultura ou herança, mas não havia necessidade nenhuma de estas jovens serem apresentadas nuas. Isto é completamente contra os valores da nossa cultura", disse o ministro em comunicado.

O professor que coordenou o espetáculo defendeu-se dizendo estar orgulhoso da prestação das alunas. "Somos pessoas orgulhosas das nossas tradições. Temos orgulho das mulheres e das meninas Xhosas", disse o educador, que preferiu não ser identificado, ao Dispatch Live .

Os Xhosa são o segundo maior grupo étnico da África do Sul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.