Jovem Testemunha de Jeová em estado crítico por recusar transfusão

A vontade da jovem prevalece sobre a vontade da família, por decisão do tribunal.

Uma jovem de 20 anos encontra-se em coma induzido há vários dias, na Unidade de Cuidados Intensivos no Hospital San Jorge, em Huesca, Espanha. Antes de ficar em estado crítico, a jovem, testemunha de Jeová, deixou instruções específicas no seu testamento vital de que não aceitaria receber uma transfusão de sangue, o que impede os médicos de intervir.

A jovem foi submetida há poucos dias a uma cirurgia e acabou por sofrer uma peritonite - inflamação da membrana que reveste as paredes do abdómen - o que levou os médicos a decidirem induzir o coma e a considerarem a necessidade de realizar uma transfusão de sangue para a salvar.

No entanto, a doente deixou por escrito a rejeição total de transfusões, por motivos religiosos. O facto de estar inconsciente impede os médicos de a consultarem novamente e obriga-os a respeitar a vontade expressa no testamento vital.

A Radio Huesca avança que a família quer que os médicos façam a transfusão. No entanto, depois de receber o relatório médico, o Tribunal de Huesca optou por respeitar a decisão da jovem, que é maior de idade. O Ministério Público não recorreu.

"Tivemos outros casos semelhantes no ano passado", disse fonte médica ao jornal Heraldo de Aragón , acrescentando que "quando há um testamento envolvido, o juiz determina sempre que a vontade do paciente deve prevalecer."

A posição das Testemunhas de Jeová em relação às transfusões é um dos principais pontos de conflito entre o dever dos médicos de preservar a vida e a liberdade religiosa, e tem sido fonte de controvérsias.

Esta não é a primeira vez em Espanha que um doente deixa instruções específicas sobre a recusa de transfusões de sangue. Em 2008, um doente, também Testemunha de Jeová, morreu no Hospital de Saragoça por não ter recebido uma transfusão, depois de ter deixado explícito que não aceitava este tratamento.