Palestiniana que esbofeteou soldados israelitas foi libertada

Ahed Tamimi foi libertada da prisão no domingo, após oito meses de prisão, por ter esbofeteado dois soldados israelitas. A adolescente tornou-se num símbolo da resistência palestiniana contra a ocupação israelita.

Uma multidão recebeu na aldeia de Nabi Saleh a jovem de 17 anos e a sua mãe, Narimane, também presa em resultado do incidente, enquanto cantava "Queremos viver livres".

As duas foram transferidas da prisão de Sharon, em Israel, para a Cisjordânia ocupada, onde residem.

De ombros cobertos com um keffiyeh, lenço símbolo da resistência palestina, Ahed Tamimi agradeceu as boas-vindas e afirmou: "A resistência vai continuar até que a ocupação termine."

Ahed Tamimi foi presa em 19 de dezembro de 2017, alguns dias depois de protagonizar um vídeo que se tornou viral.

Com a prima Nour Tamimi, as imagens mostram-na a aproximar-se de dois soldados israelitas que estão junto da sua casa.

As duas jovens pedem aos soldados para saírem e depois agridem-nos.

Os palestinianos vêem em Ahed Tamimi um exemplo de coragem face à ocupação israelita. Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestiniana, elogiou-a.

Já os israelitas consideram que a adolescente está instrumentalizada pela família. Ahed contesta a ocupação desde os oito anos.

Após a chegada à aldeia, a adolescente visitou familiares em memória de um que foi morto em junho passado durante confrontos com soldados israelitas.

Depois seguiu para Ramalah, onde foi depor flores no túmulo de Yasser Arafat e seguiu até à sede da Autoridade Palestiniana, onde foi recebida por Abbas.

O caso de Ehid Tamimi pôs a nu os critérios da justiça israelita. A adolescente foi condenada a quase oito meses de prisão enquanto o soldado israelita Elor Azaria esteve nove meses preso por abater um palestiniano que já tinha sido ferido e já não representava uma ameaça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.