Jovem desaparecida em Espanha foi vista em Tavira e Braga

Fugiu com o namorado. Pai da adolescente e as autoridades acreditam que o casal está a receber ajuda de alguém

Adela Rodríguez Escala, de 16 anos, que desapareceu de Niebla, Huelva, Espanha, na noite de 9 para 10 de dezembro, foi vista em Tavira e Braga com o namorado, de 22 anos. Ambos são procurados pela Guardia Civil e o pai da jovem suspeita que alguém os tem ajudado.

"Alguém os levou lá, porque nenhum dos dois tem carta de condução", afirmou Javier Rodríguez ao El Confidencial. O mesmo jornal explica que os pais dos dois jovens dão-se mal. Javier diz que os pais do jovem não querem colaborar e que, várias vezes, acusaram os pais de Adela de serem os culpados pelo desaparecimento do jovem casal.

"Têm de comer, de comprar coisas, de sair, de comprar gasolina e isso não se consegue sem ajuda", continua, explicando ainda que a Guardia Civil lhe disse que o par viajou por Portugal depois da primeira paragem em Tavira. A segunda e terceira noites terão passado em Braga.

Depois dessa noite, a Guardia Civil perdeu o rasto ao casal e, segundo Javier Rodríguez, as autoridades também acreditam que o casal está a receber ajuda na sua fuga. Além disso, os jovens terão mudado a aparência para passarem despercebidos.

A mãe de Adela encontrou quatro cartas do namorado para a filha, em que já falava de fugirem juntos. A adolescente levou de casa alguma roupa, o documento de identificação, cartão de saúde e entre 1200 a 1300 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.