Jovem de 18 anos votou em nome de Carles Puigdemont

Laura Sancho está orgulhosa da sua decisão de "ajudar" o ex-presidente da Generalitat e candidato do Junts per Catalunya.

Foi a primeira vez que Laura Sancho, de 18 anos, votou e decidiu fazê-lo em nome de Carles Puigdemont, o ex-presidente da Generalitat que se encontra exilado em Bruxelas.

"Acho que ele merece mais do que ninguém porque a situação política atual é horrível", disse a jovem, criticando o facto de Puigdemont "estar exilado" em "pleno século XXI".

Laura disse que com esta decisão quis também incentivar os jovens em geral a "envolverem-se na política".

Puigdemont, que recebeu a visita da jovem há uns dias, agradeceu o gesto. "Hoje é um dia muito importante, não para a Catalunha de hoje, mas sim para a Catalunha do futuro. E tu, Laura, representas esse alvorecer de esperança".

Os catalães votam hoje para o parlamento regional numas eleições antecipadas convocadas pelo primeiro-ministro Mariano Rajoy depois de acionar o artigo 155, que suspendeu a autonomia da Catalunha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?