Ainda nem pode votar. Jovem de 14 anos é candidato a governador nos EUA

Ethan Sonnebord vai concorrer esta terça-feira às eleições primárias do Partido Democrata no estado de Vermont, que não tem restrições quanto a idade

Um jovem norte-americano de 14 anos, Ethan Sonnebord, é candidato do Partido Democrata ao cargo de governador do estado de Vermont.

Ao contrário do que acontece na maioria dos estados nos Estados Unidos, naquele estado não existe qualquer tipo de requisitos relacionados com idade. E Sonneborn, que viveu durante toda a vida na povoação de Bristol, é elegível.

O jovem democrata formalizou a sua candidatura em agosto do ano passado e contou com a ajuda dos pais. O secretário de estado do Vermont consultou o procurador-geral e decidiram que o rapaz teria permissão para concorrer se os progenitores assinassem um formulário em que reconheciam que sabiam que ele estava a concorrer e não se opunham. E os pais assinaram.

Seguiu-se a recolha das assinaturas necessárias, entregues em maio. Agora, na próxima terça-feira, Sonnebord vai a votos nas eleições primárias do Partido Democrata para a eleição ao mais alto cargo da estado.

Segundo o The Washington Post, Ethan Sonnebord provavelmente não será bem-sucedido, mas o adolescente mantém a confiança. "A minha campanha transcende a idade", vincou, enquanto se preparava para um debate.

Ethan Sonnebord, porém, não é caso único nos Estados Unidos. Também em Vermont, um jovem de 16 anos, Finnian Boardman Abbey, está a concorrer ao senado. No Kansas, outros jovens candidatos concorreram a governador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.