Josu Ternera, em fuga há 15 anos, dá sinal de vida para anunciar o fim da ETA

José Antonio Urrutikoetxea, histórico da ETA conhecido como Josu Ternera, foi a voz que hoje leu o comunicado a anunciar a dissolução oficial da organização terrorista basca

"A ETA desmantelou o conjunto das suas estruturas. A ETA declara que põe fim a toda a atividade política", afirma Ternera, que ao contrário do que fora anunciado não apareceu no vídeo de rosto descoberto e apenas emprestou a voz ao vídeo difundido através do jornal Berria e do portal da internet Naiz.info.

Ternera, hoje em dia com 67 anos, está fugido à justiça espanhola desde novembro de 2002. A última vez que há notícia de ter sido visto em público foi em 2013, num apartamento alugado em Durban-sur-Arize, no sul de França. Em 2008, foi noticiado que sofria de um cancro no estômago em estado terminal e, durante muito tempo, considerou-se que estava afastado da liderança da ETA. Porém, em 2011, foi dito que regressara.

A ETA (Euskadi ta Askatasuna) recusou até 2016 o seu desarmamento e dissolução, pedidas por Madrid e Paris, exigindo até ao último momento o início de negociações para libertar os seus membros presos (297, dos quais 53 em França). Em Portugal cumpre pena o etarra Andoni Fernandez. O anúncio da sua dissolução deverá ser seguido esta sexta-feira por uma "conferência internacional" para assinalar a boa-fé da organização basca.

Fundada em 1959, durante a ditadura de Francisco Franco, a ETA fez mais de 800 mortos numa série de atentados em Espanha e em França em nome da independência de Euskal Herria (o Grande País Basco espanhol e francês assim como a região espanhola de Navarra). A ETA já tinha renunciado à violência em 2011 e entregado em 2017 aquilo que assegurou serem as suas últimas armas.

No comunicado lido não houve referência às vítimas. O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, já garantiu que irá manter a mesma política face à ETA, apesar do anúncio da sua dissolução. O chefe do governo espanhol classificou as cartas, comunicados e vídeos da organização terrorista como "ruído" e "propaganda" e sublinhou que a organização não obteve nada quando matava e assassinava, nem vai obter agora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.