Jornalista morto a tiro no México

Domínguez poderá ser o primeiro jornalista assassinado este ano no México, considerado um dos países mais perigosos do mundo para exercer a profissão

O jornalista mexicano Carlos Domínguez foi morto a tiro no sábado na cidade de Nuevo Laredo, norte, quando viajava de automóvel, informou o governo do estado de Tamaulipas.

Domínguez poderá ser o primeiro jornalista assassinado este ano no México, considerado um dos países mais perigosos do mundo para exercer a profissão.

No comunicado o governo de Tamaulipas lamentou e condenou energicamente o homicídio, que terá acontecido na tarde de sábado.

O Ministério Público "iniciou de imediato as investigações para dar seguimento ao caso e estabelecer as circunstâncias que envolvem o homicídio", diz-se no comunicado.

Segundo a imprensa local, quando foi atacado Domínguez conduzia, na companhia da filha, pelo centro de Nuevo Laredo, cidade fronteiriça com os Estados Unidos.

O jornalista trabalhava como independente e escrevia sobre temas políticos.

No dia 06 último o jornalista José Gerardo Martínez, editor do diário El Universal, morreu depois de ter sido atingido por um tiro num assalto.

A Procuradoria considerou que as primeiras investigações indicavam que a causa do tiro fora o assalto.

No ano passado foram assassinados no México 12 jornalistas. Durante a administração do Presidente Enrique Pena Nieto, 2012-2018, já foram mortos 39 jornalistas.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.