Jogou com o sobrinho mas agora recusa dividir jackpot" de um milhão

A canadiana diz que o prémio é só dela e anunciou que vai levar o familiar a tribunal

Uma canadiana reformada pediu ao sobrinho para submeter um boletim para o sorteio "Chase the Ace", uma espécie de Totoloto do Canadá. Pediu-lhe para assinar também, alegando que o nome do jovem lhe dava sorte. Mas agora, que o ganhou um "jackpot" de um milhão de euros, Barbara Reddick recusa dividir o prémio. "Vou levá-lo a tribunal", anunciou.

Assim que soube que se tornara milionária, Reddick disse que o bilhete era só dela e que o sobrinho não tinha direito a metade do valor, conta o The Vancouver Sun.

Tyrone MacInnis, de 19 anos, defende que tem direito à sua parte - o seu nome está ao lado do da tia -, e os pais do jovem também já se envolveram na discussão.

A tia garante que vai lutar por ficar com o prémio na totalidade e que nem o facto de considerar o sobrinho "como um filho" a fará esquecer aquilo que diz ser "mentira". "Nunca falei de dinheiro com ele", afirma. E já nem lhe vai dar os cerca de 150 mil euros que pensou destinar-lhe.

Na altura de receberem o prémio, esta quinta-feira, os dois foram chamados e seguraram, ambos, o cheque gigante com o valor ganho. Foi no meio de cumprimentos e aplausos que a reformada anunciou que iria levar o sobrinho a tribunal.

O prémio deste jogo chamado "Chase the Ace" vai acumulando até que o proprietário do bilhete sorteado tenha a sorte grande: escolhe uma carta e se aparecer o Ás de Espadas, além do prémio inicial, leva ainda o valor acumulado. Foi o que aconteceu com a canadiana, que nem sequer esteve presente no ato de escolher a carta: foi uma voluntária que a retirou.

Parte do valor dos boletins vendidos para o sorteio reverte para causas sociais. Neste caso, o valor destina-se a uma corporação de bombeiros canadiana.

A organizadora do evento em que foi entregue o cheque disse que o episódio "não foi bonito", principalmente porque a discussão aconteceu em frente às câmaras de televisão.

Nos comentários ao post do Facebook onde surge a imagem de tia e sobrinho a receberem o prémio, vários internautas criticam a atitude de Barbara Reddick e advertem a canadiana para a possibilidade de vir a gastar todo o dinheiro em advogados.

Em Portugal, tribunal obrigou casal de namorados a dividir o prémio

O caso é semelhante ao dos ex-namorados de Barcelos, Luís Ribeiro e Cristina Simões, que acabaram por ser condenados pelo tribunal a dividir os 15 milhões de euros do prémio do Euromilhões que ganharam em janeiro de 2009. O juiz interpretou o caso como um um contrato de sociedade com a repartição dos lucros (o prémio) consoante as entradas (os valores jogados no boletim).

O juiz deu como provado ser prática corrente entre os então namorados de Barcelos jogarem a meias o Euromilhões - logo, em casos de prémio, seria para dividir equitativamente o respetivo prémio, isto é, a meias, conforme decidiu o magistrado. A sentença confirma o entendimento que para efeito da ação cautelar de "congelamento" da conta bancária de Cristina Simões onde está todo o dinheiro, já tinham expresso primeiro o Tribunal Cível de Lisboa e depois a a Relação de Guimarães.

Na altura, o juiz queixou-se publicamente das dificuldades que os depoimentos contraditórios dos antigos namorados e das testemunhas, a ponto de ser aquele o julgamento mais difícil em 20 anos de carreira.

Ao longo da sentença, constituída por 41 folhas, o juiz conclui que "os factos, tidos como demonstrados, apontam para a existência de um acordo entre Luís Carlos e Cristina Simões, visando a repartição de eventuais prémios".

Para o magistrado "o primeiro deu a sua colaboração preenchendo o boletim, procedendo ao registo do mesmo e efetuando o respetivo pagamento" e que "a segunda prestou uma colaboração intelectual que consistiu na elaboração de uma das chaves".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.