Jogadores da NFL desafiam Trump com protestos durante hino

O Presidente norte-americano chegou mesmo a pedir que a NFL expulsasse os jogadores que repetissem os protestos durante toda a temporada

Ajoelhados, levantando os punhos, sentados nos bancos ou nos vestiários, foram muitos os jogadores da liga profissional de futebol americano (NFL) que esta quinta-feira desafiaram o Presidente dos Estados Unidos com novos protestos durante o hino.

No primeiro dia da pré-temporada do campeonato, os jogadores mantiveram protestos contra a injustiça social e a violência policial contra os afro-americanos, tão criticados por Donald Trump.

Com os protestos, os jogadores não só desafiaram Trump, mas também a liga, que estreia nesta temporada um novo regulamento para multar as equipas cujos membros se ajoelhem durante o hino nacional, apesar de poderem ficar no balneário até ao início da partida.

Donald Trump comemorou a aprovação do novo regulamento em maio e disse que os atletas que não se levantam durante o hino "provavelmente não deveriam estar no país".

O Presidente norte-americano chegou mesmo a pedir que a NFL expulsasse os jogadores que repetissem os protestos durante toda a temporada.

A Casa Branca suspendeu em junho a receção tradicional dos campeões da NFL, neste caso os Eagles, depois de muitos dos seus jogadores optarem por não comparecer ao evento.

Trump também não convidou o campeão da liga de basquetebol (NBA), o Golden State Warriors, depois de Lebron James, ainda nos Cleveland Cavaliers, ter anunciado que a equipa vencedora não iria à Casa Branca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.