Jogadores da NFL desafiam Trump com protestos durante hino

O Presidente norte-americano chegou mesmo a pedir que a NFL expulsasse os jogadores que repetissem os protestos durante toda a temporada

Ajoelhados, levantando os punhos, sentados nos bancos ou nos vestiários, foram muitos os jogadores da liga profissional de futebol americano (NFL) que esta quinta-feira desafiaram o Presidente dos Estados Unidos com novos protestos durante o hino.

No primeiro dia da pré-temporada do campeonato, os jogadores mantiveram protestos contra a injustiça social e a violência policial contra os afro-americanos, tão criticados por Donald Trump.

Com os protestos, os jogadores não só desafiaram Trump, mas também a liga, que estreia nesta temporada um novo regulamento para multar as equipas cujos membros se ajoelhem durante o hino nacional, apesar de poderem ficar no balneário até ao início da partida.

Donald Trump comemorou a aprovação do novo regulamento em maio e disse que os atletas que não se levantam durante o hino "provavelmente não deveriam estar no país".

O Presidente norte-americano chegou mesmo a pedir que a NFL expulsasse os jogadores que repetissem os protestos durante toda a temporada.

A Casa Branca suspendeu em junho a receção tradicional dos campeões da NFL, neste caso os Eagles, depois de muitos dos seus jogadores optarem por não comparecer ao evento.

Trump também não convidou o campeão da liga de basquetebol (NBA), o Golden State Warriors, depois de Lebron James, ainda nos Cleveland Cavaliers, ter anunciado que a equipa vencedora não iria à Casa Branca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.