João Lourenço rejeita divisões no MPLA

Vice-presidente do partido diz que ideia foi "criada e difundida" para "dividir" os militantes

O vice-presidente do MPLA, João Lourenço, refutou hoje a ideia de que existe divisão no seio do partido no poder em Angola entre "supostos eduardistas e lourencistas", garantindo que existem apenas militantes do MPLA.

João Lourenço, igualmente chefe de Estado de Angola, discursava na abertura hoje da II reunião Metodológica Nacional sobre a Organização do Trabalho do Partido.

O dirigente do MPLA referia-se à "ideia criada e difundida", nos últimos tempos, em alguns círculos da sociedade angolana, que têm o objetivo de "dividir" os militantes do partido.

"Isso não existe no nosso seio, só há mempelistas, porque defendemos todos o MPLA e as suas causas, só há patriotas angolanos, porque todos defendemos a causa de Angola e dos angolanos", disse João Lourenço.

Lembrou que "ao longo da sua história, o MPLA enfrentou e ultrapassou momentos difíceis, onde nalguns casos teve cisões que o enfraqueceram, mas soube sempre evitar consequências piores".

João Lourenço defendeu que "sempre que possível" se trabalhe com antecipação para que seja preservada a união do partido.

"E isto é uma preocupação que deve ser permanente, porque dentro e fora do partido, acredito, que sempre houve quem estivesse interessado em corroer o partido, para que não cumpra com a sua missão histórica", disse João Lourenço.

"Devemos continuar cada vez mais unidos e coesos em torno dos ideais do MPLA, para que com a força do passado, do presente e do futuro, construamos um futuro melhor", exortou.

O partido no poder em Angola, desde 1975, tem reforçado nos últimos tempos os apelos de união na formação política, numa altura em que vários círculos da sociedade angolana, incluindo militantes do MPLA, têm criticado abertamente uma alegada bicefalia entre João Lourenço e José Eduardo dos Santos, líder da organização política desde 1979.

Na reunião ordinária do Comité Central (CC) realizada, na sexta-feira, José Eduardo dos Santos, que em 2016 tinha anunciado que este ano deixaria a vida política ativa, propôs a realização de um congresso extraordinário para dezembro de 2018 ou abril de 2019.

Sobre a proposta apresentada, os participantes ao encontro decidiram que vão ser realizadas duas reuniões, a primeira em abril próximo pelo Bureau Político, e a segunda em maio pelo CC, para refletirem sobre a realização do congresso extraordinário e a transição política da presidência do MPLA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.