João Lourenço rejeita divisões no MPLA

Vice-presidente do partido diz que ideia foi "criada e difundida" para "dividir" os militantes

O vice-presidente do MPLA, João Lourenço, refutou hoje a ideia de que existe divisão no seio do partido no poder em Angola entre "supostos eduardistas e lourencistas", garantindo que existem apenas militantes do MPLA.

João Lourenço, igualmente chefe de Estado de Angola, discursava na abertura hoje da II reunião Metodológica Nacional sobre a Organização do Trabalho do Partido.

O dirigente do MPLA referia-se à "ideia criada e difundida", nos últimos tempos, em alguns círculos da sociedade angolana, que têm o objetivo de "dividir" os militantes do partido.

"Isso não existe no nosso seio, só há mempelistas, porque defendemos todos o MPLA e as suas causas, só há patriotas angolanos, porque todos defendemos a causa de Angola e dos angolanos", disse João Lourenço.

Lembrou que "ao longo da sua história, o MPLA enfrentou e ultrapassou momentos difíceis, onde nalguns casos teve cisões que o enfraqueceram, mas soube sempre evitar consequências piores".

João Lourenço defendeu que "sempre que possível" se trabalhe com antecipação para que seja preservada a união do partido.

"E isto é uma preocupação que deve ser permanente, porque dentro e fora do partido, acredito, que sempre houve quem estivesse interessado em corroer o partido, para que não cumpra com a sua missão histórica", disse João Lourenço.

"Devemos continuar cada vez mais unidos e coesos em torno dos ideais do MPLA, para que com a força do passado, do presente e do futuro, construamos um futuro melhor", exortou.

O partido no poder em Angola, desde 1975, tem reforçado nos últimos tempos os apelos de união na formação política, numa altura em que vários círculos da sociedade angolana, incluindo militantes do MPLA, têm criticado abertamente uma alegada bicefalia entre João Lourenço e José Eduardo dos Santos, líder da organização política desde 1979.

Na reunião ordinária do Comité Central (CC) realizada, na sexta-feira, José Eduardo dos Santos, que em 2016 tinha anunciado que este ano deixaria a vida política ativa, propôs a realização de um congresso extraordinário para dezembro de 2018 ou abril de 2019.

Sobre a proposta apresentada, os participantes ao encontro decidiram que vão ser realizadas duas reuniões, a primeira em abril próximo pelo Bureau Político, e a segunda em maio pelo CC, para refletirem sobre a realização do congresso extraordinário e a transição política da presidência do MPLA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.