João Lourenço garante que relações Angola-Portugal "estão boas"

O presidente angolano, João Lourenço, garantiu hoje em Estrasburgo que a visita oficial do primeiro-ministro português, António Costa, a Angola acontecerá ainda este ano e não está dependente do processo Manuel Vicente.

Em declarações aos jornalistas, após ter discursado no Parlamento Europeu (PE) em Estrasburgo, o Presidente de Angola assegurou que as relações com Portugal "estão boas" e que visitará o país "logo que estiverem criadas as condições".

"Sabe que as visitas a este nível, a nível de chefes de Estado, têm de ser preparadas com uma certa antecedência. Nós acordámos com as autoridades portuguesas que, antes da minha deslocação a Portugal, devo receber o primeiro-ministro português em Angola. Este processo está em curso, posso garantir que, de acordo com a agenda do próprio primeiro-ministro, António Costa, ainda este ano a visita vai acontecer", avançou.

Questionado sobre se a visita oficial de António Costa a Angola estaria condicionada pelo processo do ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, o chefe de Estado angolano afiançou que não.

"Absolutamente não. Só depende do acerto de calendários. Não tem nada a ver com o processo Manuel Vicente", reforçou.

João Lourenço tornou-se hoje o primeiro chefe do Estado angolano a discursar no Parlamento Europeu.

Entre o final de maio e início de junho, João Lourenço efetuou visitas oficiais a França e Bélgica, tendo sido já recebido em Bruxelas pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.