João Lourenço aprovado como candidato a presidente do MPLA

O Comité Central do MPLA manifestou "profundo reconhecimento e gratidão" a José Eduardo dos Santos, antigo presidente angolano

O Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) aprovou, esta sexta-feira, por aclamação, a candidatura do atual vice-presidente do partido e chefe de Estado angolano, João Lourenço, ao cargo de presidente do partido.

A informação consta do comunicado final da terceira sessão extraordinária do Comité Central, realizada esta sexta-feira em Luanda, sob orientação do presidente do partido, José Eduardo dos Santos.

A reunião serviu para, entre outros assuntos, analisar a candidatura do também Presidente da Republica, João Lourenço, e preparar o congresso extraordinário.

O documento sublinha que o Comité Central reiterou os grandes objetivos do 6º congresso extraordinário do partido, marcado para 8 de setembro deste ano, que vai decorrer sob o lema: "MPLA com a Força do Passado e do Presente, Construamos um Futuro Melhor".

Sobre a transição política na liderança do partido, com a saída de José Eduardo dos Santos, o Comité Central considerou que "deve continuar a decorrer num ambiente de perfeita harmonia, ampla participação e aceitação dos militantes, na salvaguarda dos princípios e valores do MPLA, com vista ao reforço da unidade e coesão no seio do partido".

O Comité Central manifestou "profundo reconhecimento e gratidão ao camarada presidente José Eduardo dos Santos pela forma ímpar como dirigiu os destinos do MPLA e do país durante os últimos 39 anos"

"A realização do 6º congresso extraordinário do MPLA constitui, pois, um momento sublime de congregação da família MPLA, onde os delegados participantes ao evento em representação de todos os militantes, reafirmarão o desejo em apoiar a nova liderança do partido, visando os desafios do presente e do futuro", refere o comunicado.

O Comité Central manifestou ainda "profundo reconhecimento e gratidão ao camarada presidente José Eduardo dos Santos pela forma ímpar como dirigiu os destinos do MPLA e do país durante os últimos 39 anos, particularmente aos processos de paz e reconciliação nacional e pela forma exemplar como tem estado a conduzir o processo de transição política no país".

No discurso de abertura da reunião desta sexta-feira, o líder do partido disse que o congresso "decorrerá sem dúvida numa atmosfera de fraternidade e camaradagem".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.