Decisão dos EUA sobre Jerusalém "não é lógica" e complica soluções

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia disse hoje que o reconhecimento dos Estados Unidos de Jerusalém como capital de Israel "não é lógico" e "complica significativamente" a procura de soluções para o conflito entre árabes e israelitas.

"O anúncio [de reconhecer Jerusalém como capital de Israel] não tem lógica", assinalou o ministro, Serguéi Lavrov, de acordo com a tradução simultânea disponibilizada numa conferência de imprensa realizada em Viena, à margem da cimeira ministerial da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), citada pela agência EFE.

O ministro russo recordou que os emissários dos Estados Unidos da América (EUA) no conflito do Médio Oriente exigem uma "mudança de foco" em relação à chamada "Iniciativa Árabe" de 2002.

Esta iniciativa prevê normalizar as relações entre o mundo árabe e Israel, no caso de uma resolução do conflito com os palestinianos.

Nesse contexto, destacou Lavrov, a decisão de reconhecer Jerusalém e transferir a embaixada dos EUA para essa cidade "complica de forma significativa" o plano para normalizar as relações entre árabes e palestinianos.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se hoje e espero que os EUA expliquem os próximos passos

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na quarta-feira a decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e transferir para aquela cidade a embaixada norte-americana, num futuro próximo.

O anúncio foi recebido com grande preocupação pela comunidade internacional e com ira entre os muçulmanos, incluindo os palestinos, que exigem que Jerusalém seja a capital do seu futuro Estado.

Para hoje estão previstas várias manifestações contra o reconhecimento dos EUA relativamente a Jerusalém.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.