OLP diz que decisão de Trump "destrói" solução de dois Estados

Já o Presidente francês, Emmanuel Macron, considerou "lamentável" a decisão de Donald Trump

A Organização de Libertação da Palestina (OLP) considerou que a declaração do Presidente dos EUA Donald Trump sobre Jerusalém "destrói" a solução de dois Estados, numa primeira reação ao seu discurso na Casa Branca.

Em declarações aos jornalistas, o secretário-geral da OLP Saëb Erakat disse que a decisão de Trump em reconhecer Jerusalém como capital de Israel "destrói" a designada solução de dois Estados.

"Trump desqualificou os Estados Unidos de qualquer desempenho em qualquer processo de paz", acrescentou o dirigente palestiniano.

De visita à Argélia, o Presidente francês Emmanuel Macron qualificou por sua vez de "lamentável" a decisão de Trump e apelou a "evitar a qualquer preço as violências".

De decurso de uma conferência de imprensa em Argel, Macron sublinhou "o compromisso da França e da Europa à solução de dois Estados, Israel e Palestina convivendo lado a lado em paz e em segurança nas fronteiras internacionalmente reconhecidas com Jerusalém como capital dos dois Estados".

Através desta decisão da administração da Casa Branca, os Estados Unidos tornam-se no único país do mundo a reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

A comunidade internacional nunca reconheceu Jerusalém como capital de Israel, nem a anexação da parte oriental da cidade, conquistada em 1967.

Israel considera a Cidade Santa a sua capital "eterna e reunificada", mas os palestinianos defendem pelo contrário que Jerusalém-leste deve ser a capital do Estado palestiniano ao qual aspiram, num dos principais diferendos que opõem as duas partes em conflito.

Os países com representação diplomática em Israel têm as embaixadas em Telavive, em conformidade com o princípio, consagrado em resoluções das Nações Unidas, de que o estatuto de Jerusalém deve ser definido em negociações entre israelitas e palestinianos.

Uma lei norte-americana de 1995 solicitava a Washington a mudança da embaixada para Jerusalém, mas essa medida nunca foi aplicada, porque os Presidentes Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama adiaram sua implementação, a cada seis meses, com base em "interesses nacionais".

Trump disse, a propósito desse adiamento, que "velhos problemas exigem soluções novas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.