Jeremy Hunt substitui Boris Johnson na diplomacia britânica

Ministro troca a pasta da Saúde, que ocupava desde 2012, pela dos Negócios Estrangeiros. Ao contrário de Johnson, que foi um dos principais rostos do brexit, Hunt apoiou o 'remain' no referendo de 2016. Mas já mudou de ideias.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, nomeou Jeremy Hunt, até agora ministro da Saúde, para o cargo de chefe da diplomacia britânica, depois da demissão de Boris Johnson por discordar do plano para o brexit.

Hunt recusou, no início do ano, assumir a pasta das empresas, alegando que queria dedicar-se ao sistema nacional de saúde. Desde então, May já prometeu 20,5 mil milhões de libras para os próximos cinco anos, dependendo de um plano para melhorar a eficiência. Antes de assumir a pasta da Saúde, em 2012, Hunt tinha sido ministro da Cultura e ministro para os Jogos Olímpicos, entre 2010 e 2012.

Ao contrário de Johnson, que era um dos principais defensores do brexit, Hunt apoiou o "remain" na campanha para o referendo de 2016. Contudo, em outubro de 2017, o ministro disse ter mudado de opinião, em parte por causa da "arrogância" dececionante no comportamento da União Europeia durante as negociações.

"Enorme honra ser nomeado chefe da diplomacia neste momento crítivo da história do nosso país. É hora de apoiar a nossa primeira-ministra para conseguir um excelente acordo de brexit - é agora ou nunca...", escreveu no Twitter.

Minirremodelação

Para substituir Hunt, May nomeou Matt Hancock, que nos últimos dois anos foi ministro da Cultura. Este já reagiu no Twitter à nomeação. "Desejoso de me juntar ao Departamento de Saúde num momento tão importante para o nosso Serviço Nacional de Saúde. Mal posso esperar para começar", escreveu.

A minirremodelação de governo fica completa com a nomeação do procurador-geral e deputado Jeremy Wright, eleito por Kenilworth e Southam, para a pasta da Cultura, Media e Desporto.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.