Jean-Claude Juncker pede a Itália: "Mais trabalho, seriedade e menos corrupção"

O presidente da Comissão Europeia reagiu esta sexta-feira às críticas italianas sobre a atuação da equipa que comanda

O Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, comentou esta sexta-feira as várias queixas que a Itália tem feito ao funcionamento da Europa, sobretudo, as que apontam o dedo à equipa que gere e que é acusada de não fazer o suficiente pelo país, impondo políticas insensíveis e prejudiciais.

"Parem de culpar a Europa, os italianos têm de cuidar das regiões mais pobres de Itália, e isso significa mais trabalho, seriedade e menos corrupção", disse em Bruxelas, quando questionado pelos jornalistas sobre o que a Comissão poderia fazer para ajudar, por exemplo, as regiões do sul da Itália, onde o desemprego é alto especialmente entre os mais jovens.

"Vamos ajudar, como sempre fizemos, mas não vamos aceitar que a responsabilidade desses problemas é da UE. Um país é um país, uma nação é uma nação. Primeiros vêm os países, só depois a UE.", citou o El Mundo.

O presidente do Parlamento Europeu, o italiano Antonio Tajani, não demorou a reagir. "Peço ao Presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker que se retrate imediatamente do que disse, porque é inaceitável."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.