Japão recebe 200 candidaturas de estrangeiros que querem ser ninjas

"Fomos inundados com candidaturas e perguntas. Não esperávamos tal interesse" de estrangeiros, disse a direção de turismo regional.

Uma região japonesa que anunciou estar à procura de ninjas, guerreiros espiões da época feudal nipónica, disse hoje ter recebido 200 candidaturas de estrangeiros, cerca de seis vezes mais do que de cidadãos japoneses.

O objetivo das autoridades da prefeitura de Aichi (centro), conhecida pelo castelo de Nagoya, é a promoção turística da região, tendo recebido 235 candidaturas para seis postos de trabalho.

Dos candidatos já escolhidos, apenas 13 são oriundos de países como Estados Unidos, França, Tailândia e Itália. Vinte e quatro japoneses foram pré-selecionados. "Fomos inundados com candidaturas e perguntas. Não esperávamos tal interesse" de estrangeiros, disse Satoshi Adachi, da direção de turismo regional.

Os novos ninjas vão assinar um contrato de um ano, com um salário mensal de 180 mil ienes (1.430 euros), para realizar acrobacias, praticar a arte de lançar shuriken (pequena arma em forma de estrela) e tirar fotografias com os turistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...