Japão recebe 200 candidaturas de estrangeiros que querem ser ninjas

"Fomos inundados com candidaturas e perguntas. Não esperávamos tal interesse" de estrangeiros, disse a direção de turismo regional.

Uma região japonesa que anunciou estar à procura de ninjas, guerreiros espiões da época feudal nipónica, disse hoje ter recebido 200 candidaturas de estrangeiros, cerca de seis vezes mais do que de cidadãos japoneses.

O objetivo das autoridades da prefeitura de Aichi (centro), conhecida pelo castelo de Nagoya, é a promoção turística da região, tendo recebido 235 candidaturas para seis postos de trabalho.

Dos candidatos já escolhidos, apenas 13 são oriundos de países como Estados Unidos, França, Tailândia e Itália. Vinte e quatro japoneses foram pré-selecionados. "Fomos inundados com candidaturas e perguntas. Não esperávamos tal interesse" de estrangeiros, disse Satoshi Adachi, da direção de turismo regional.

Os novos ninjas vão assinar um contrato de um ano, com um salário mensal de 180 mil ienes (1.430 euros), para realizar acrobacias, praticar a arte de lançar shuriken (pequena arma em forma de estrela) e tirar fotografias com os turistas.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".