Japão instala sistema antimísseis no norte do país face a ameaça norte-coreana

O porta-voz da Defesa do Japão afirmou que "estão a monitorizar os movimentos da Coreia do Norte" face a um possível novo lançamento

O Japão vai instalar um novo sistema antimísseis PAC-3 na ilha de Hokkaido, em resposta aos dois recentes lançamentos pela Coreia do Norte que sobrevoaram o norte do país, confirmou esta terça-feira à Efe o Ministério da Defesa japonês.

A instalação do sistema antimísseis Patriot Advanced Capability 3 (PAC-3) numa base militar da cidade de Hakodate chega quatro dias depois de o regime de Kim Jong-un ter realizado o seu mais recente lançamento de um míssil de médio alcance que caiu no oceano Pacífico após sobrevoar essa zona do Japão.

Pyongyang, que ameaçou "afundar território" japonês com una bomba nuclear pelo apoio às sanções promovidas pelos Estados Unidos também sobrevoou o norte do Japão com outro míssil a 29 de agosto.

Nesse sentido, o porta-voz da Defesa afirmou esta terça-feira que "estão a monitorizar os movimentos da Coreia do Norte" face a um possível novo lançamento.

O Japão pediu na sexta-feira ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que condene claramente o novo ensaio com um míssil realizado pela Coreia do Norte, sublinhando que as ações de Pyongyang representam uma ameaça real para todo o mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.