Izabella, 4 anos, morreu após ser baleada pelo irmão de 3 com a arma da avó

Menina de 4 anos de Lebanon, no estado americano do Indiana, não resistiu aos ferimentos após ter sido atingida na cabeça pelo irmão mais novo

Izabella-Marie Helem e o irmão mais novo estavam em casa dos avós, em Lebanon, no estado norte-americano do Indiana, quando o pior aconteceu: o rapaz de três anos conseguiu chegar a uma arma e disparou acidentalmente contra a irmã. A menina foi atingida na cabeça, sendo levada para o hospital, onde acabaria por morrer cinco dias depois.

A mãe das crianças, Brianna Helem, explicou ao Seattle Times que decidiu doar os órgãos da filha, ajudando assim oito outras crianças. Uma forma de a tragédia que atingiu a sua família e custou a vida à menina "criar milagres para outras família".

Em declarações ao jornal local The Lebanon Reporter, Brianna garantiu que a mãe, a dona da arma que o neto usou, não é descuidada. E denunciou a desinformação e os comentários maldosos que só estão a tornar o momento mais doloroso para a família.

Brianna Helem é militar e estava a caminho da base de Fort Knox quando soube do acidente com os filhos.

Segundo um estudo recente, todos os dias 19 crianças são baleadas nos Estados Unidos e por ano cerca de 1300 menores morrem devido a incidentes com armas de fogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.