Itália recusa desembarque de 629 migrantes

O Governo italiano não autorizou que o barco aportasse em Reggio Calabria, e pediu a Malta que acolhesse os passageiros

O ministro do Interior de Itália pediu a Malta que receba o barco da ONG SOS Mediterrâneo, com 629 migrantes a bordo, que o novo Governo italiano não autoriza que desembarquem em Reggio Calabria, no sul do território.

De acordo com a comunicação social italiana, Matteo Salvini enviou uma carta urgente às autoridades maltesas, explicando que o Aquarius, com pessoal dos Médicos Sem Fronteiras, encontra-se a 43 milhas náuticas de Malta (quase 80 quilómetros), pelo que a obrigação de desembarque dos migrantes não pertence aos italianos.

A Guarda Costeira italiana, que coordena as operações de vigilância e resgate no Mediterrâneo central, disse à agência Efe que, no sábado, foram resgatados 629 imigrantes em seis operações, nas quais participaram unidades da ilha de Lampedusa, três navios mercantes e a ONG SOS Mediterrâneo.

Todos os imigrantes - 123 menores não acompanhados e sete grávidas - foram transferidos para o Aquarius, disse a ONG francesa.

O membro do Governo comunicou a posição de Itália quanto ao Aquarius na sequência da recusa de há dias de desembarque de 232 migrantes resgatados por um navio da organização não-governamental (ONG) alemã Sea Watch.

A embarcação chegou ao porto de Reggio Calabria, depois de quatro dias no mar Mediterrâneo, com as mais de duas centenas de migrantes a bordo.

Segundo o diário Malta Today, um porta-voz do Governo maltês disse que o "resgate ocorreu na zona de busca e resgate da Líbia e foi coordenado pelo centro de coordenação de resgate de Roma".

"Malta não é a autoridade coordenadora e não tem competência no caso", assinalou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.