Itália a caminho de eleições que arriscam ser um teste ao euro

Primeiro-ministro nomeado pelo presidente Mattarella não terá o apoio do Parlamento, o que obrigará italianos a nova ida às urnas

A nomeação de Carlo Cottarelli para chefiar interinamente o governo italiano não resolve o caos político na terceira maior economia da Europa, abrindo pelo contrário caminho a novas eleições que ameaçam ser um referendo ao euro. "As próximas eleições não vão ser políticas, mas um verdadeiro referendo... entre quem quer que a Itália seja um país livre e quem quer que seja servil e escrava", disse ontem o líder da Liga Norte, Matteo Salvini. O partido de direita e o seu aliado improvável, o Movimento 5 Estrelas (M5E, antissistema) já estão em campanha.

A reviravolta em Itália surgiu neste domingo quando o presidente Sergio Mattarella, pró-União Europeia (UE), rejeitou o nome do eurocético Paolo Savona para a pasta da Economia. O economista, que defendeu a saída do euro, tinha sido o nome proposto pela aliança entre a Liga e M5E, dois partidos antagónicos que foram os mais votados nas eleições de 4 de março e que após meses de negociações chegaram a acordo de governo.

A rejeição de Savona levou os partidos que juntos têm a maioria no Parlamento a desistir de governar, levando o presidente a intervir com a nomeação de um ex-dirigente do Fundo Monetário Internacional, perito na austeridade que ambos rejeitam. E em Itália já se fala na hipótese de os dois juntarem forças para as próximas eleições - que podem ocorrer já depois de agosto. "Se voltarmos a ter eleições por causa de um veto ao Savona, eles vão ganhar 80%", disse o ex-primeiro-ministro italiano Massimo D"Alema, apanhado com o microfone ligado, ainda antes da decisão de Mattarella.

O líder do M5E, Luigi di Maio, apelou ontem à mobilização dos italianos, convocando todos para uma manifestação em Roma no próximo dia 2 de junho, dia da República. "Façam-se ouvir, é importante que o façam agora. Vamos organizar manifestações pacíficas e simbólicas", disse num vídeo no Facebook. Já Salvini diz querer eleições o mais rapidamente possível. A Liga tem vindo a subir nas sondagens, de 17% (nas eleições) para 24%. O M5E mantém os 32%.

Poder do presidente

Em Itália, o presidente, que não é eleito por sufrágio universal direto, mas indiretamente pelo Parlamento e pelos delegados regionais, tem a obrigação de garantir a união nacional e o respeito pelas leis e pela Constituição. Os seus poderes são limitados, mas chave em alturas de crise, já que tem a capacidade de nomear o chefe do governo, os ministros que este propõe e pode dissolver ambas as câmaras do Parlamento. O que tem ocorrido várias vezes em Itália, que já teve 64 governos desde 1946.

Cottarelli, o novo primeiro-ministro, terá de passar pelo crivo do Parlamento - e tanto a Liga como o M5E, que juntos têm a maioria, já disseram que não o vão aprovar. "Vou apresentar um programa que, caso o executivo ganhe o voto de confiança, inclua a aprovação do Orçamento e depois a dissolução do Parlamento e eleições em 2019", disse Cottarelli à saída da reunião com Mattarella. Contudo, se não ganhar esse voto de confiança, as eleições podem ocorrer já depois de agosto. A Força Itália, de Silvio Berlusconi, que concorreu às eleições aliada da Liga Norte mas que depois criticou o programa com o M5E, também já indicou que vai votar contra.

Entretanto, o líder do M5E, Luigi Di Maio, disse que iria pedir a desttuição do presidente. O longo processo já foi iniciado em três ocasiões, mas nunca teve sucesso. Segundo o artigo 90.º da lei fundamental do país, o presidente pode ser destituído "por alta traição ou ataques contra a Constituição".

O processo é desencadeado por um pedido do líder da Câmara dos Deputados e as acusações são investigadas por um comité especial, de 20 deputados, que tem no máximo oito meses para decidir se aceita ou não a destituição. Se for favorável, deve submeter a moção a voto numa sessão conjunta de ambas as câmaras do Parlamento - onde será aprovada por maioria simples. Depois, a decisão cabe aos 15 juízes do Constitucional, aos quais se juntam outras 16 pessoas, que têm de fazer audições e ouvir testemunhas. Só então haverá uma decisão final, que não pode ser alvo de recurso.

Exclusivos

Premium

Clássico

Mais de 55 milhões de euros separam plantéis de Benfica e FC Porto

Em relação à época passada, os encarnados ultrapassaram os dragões no que diz respeito à avaliação do plantel. Bruno Lage tem à sua disposição um lote de jogadores avaliado em 310,7 milhões de euros, já Sérgio Conceição tem nas mãos um grupo que vale 255,5 milhões. Neste sábado, no Estádio da Luz, defrontam-se pela primeira vez esta temporada.