Israel reabre posto fronteiriço com Gaza

A única fronteira com passagem de bens entre a Faixa de Gaza e Israel vai reabrir de forma parcial, depois de ter sido encerrada como forma de Telavive pressionar o Hamas.

Israel vai reabrir parcialmente a fronteira de Kerem Shalom (ou Karam Abu Salem) com Gaza, a única passagem da Faixa, anunciou o ministro da Defesa Avigdor Lieberman em comunicado.

O governo israelita deu ordem de encerramento de Kerem Shalom no dia 9 em resultado das ações do Hamas junto à fronteira.

O comunicado explica que o ponto de passagem só será aberto de forma parcial porque o Hamas "não pôs fim ao terrorismo" ao continuar os lançamentos de balões incendiários e de "fricção junto à vedação da fronteira".

Ou seja, Kerem Shalom só regressa à atividade total se terminarem as "provocações". De momento os únicos bens que cruzam a fronteira são produtos alimentares e material médico.

No domingo, Lieberman visitou o posto fronteiriço e declarou: "A minha mensagem para os moradores de Gaza é, portanto, responsabilidade, e a resposta em parte é a pressão que os moradores de Gaza possam aplicar à liderança do Hamas.".

O ministro excluiu a hipótese de os palestinianos poderem voltar a passar a fronteira para irem trabalhar do lado israelita. "Estamos longe disso."

Kerem Shalom, localizada junto ao Egito, é a única fronteira com fluxo de bens. O posto fronteiriço de Erez, a norte, só permite a passagem de ajuda internacional e de pessoas em "casos humanitários graves".

Os outros postos fronteiriços entre Israel e Gaza estão encerrados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?