Israel reabre posto fronteiriço com Gaza

A única fronteira com passagem de bens entre a Faixa de Gaza e Israel vai reabrir de forma parcial, depois de ter sido encerrada como forma de Telavive pressionar o Hamas.

Israel vai reabrir parcialmente a fronteira de Kerem Shalom (ou Karam Abu Salem) com Gaza, a única passagem da Faixa, anunciou o ministro da Defesa Avigdor Lieberman em comunicado.

O governo israelita deu ordem de encerramento de Kerem Shalom no dia 9 em resultado das ações do Hamas junto à fronteira.

O comunicado explica que o ponto de passagem só será aberto de forma parcial porque o Hamas "não pôs fim ao terrorismo" ao continuar os lançamentos de balões incendiários e de "fricção junto à vedação da fronteira".

Ou seja, Kerem Shalom só regressa à atividade total se terminarem as "provocações". De momento os únicos bens que cruzam a fronteira são produtos alimentares e material médico.

No domingo, Lieberman visitou o posto fronteiriço e declarou: "A minha mensagem para os moradores de Gaza é, portanto, responsabilidade, e a resposta em parte é a pressão que os moradores de Gaza possam aplicar à liderança do Hamas.".

O ministro excluiu a hipótese de os palestinianos poderem voltar a passar a fronteira para irem trabalhar do lado israelita. "Estamos longe disso."

Kerem Shalom, localizada junto ao Egito, é a única fronteira com fluxo de bens. O posto fronteiriço de Erez, a norte, só permite a passagem de ajuda internacional e de pessoas em "casos humanitários graves".

Os outros postos fronteiriços entre Israel e Gaza estão encerrados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.