Israel permite retirada de refugiados sírios como "gesto humanitário excecional"

Os "civis foram retirados da zona de guerra no sul da Síria por causa da ameaça imediata às suas vidas", informou o exército israelita

Israel permitiu, como um "gesto humanitário excecional", a retirada de refugiados no sul da Síria para terceiros países em território sob seu controle, informou este domingo o exército.

"O transporte de deslocados sírios através de Israel é um gesto humanitário excecional, e os civis foram depois transferidos para países terceiros", segundo um comunicado as forças militares de Israel.

No texto divulgado este domingo refere-se que os "civis foram retirados da zona de guerra no sul da Síria por causa da ameaça imediata às suas vidas".

Israel sublinha que "continua a manter uma política de não-intervenção em relação ao conflito sírio"

"Seguindo as instruções do Governo de Israel e as exigências dos Estados Unidos e dos países europeus, o exército concluiu recentemente um esforço humanitário para resgatar membros da sociedade civil e suas famílias", lê-se na mesma nota.

Israel sublinhou na declaração que "continua a manter uma política de não-intervenção em relação ao conflito sírio".

O jornal israelita Haaretz deu eco a uma informação publicada pelo jornal alemão Bild de que Israel permitiu a transferência para a Jordânia de 800 'capacetes brancos', da denominada Defesa Civil Síria (financiada pelos Estados Unidos e Reino Unido), que estavam a realizar operações de resgate no conflito, perto dos montes Golã.

O exército sírio e os seus aliados estão a recuperar território e avançam em direção às áreas que continuam nas mãos da oposição no sul da Síria, na fronteira com Israel e Jordânia.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...