Israel atacou alvo em Gaza mesmo depois de anúncio de trégua

Dois jovens foram atingidos por estilhaços e 25 pessoas ficaram feridas na sequência do ataque

Israel anunciou este sábado que atacou uma posição de lançamento de morteiros na faixa de Gaza, pouco depois de o Hamas e a Jihad Islâmica terem dito que foi atingida uma trégua com a mediação do Egito.

Depois de soarem sirenes de ataque aéreo na cidade israelita de Eshkul, dois morteiros foram lançados a partir de Gaza e atingiram território israelita, levando o Exército a atacar o morteiro, afirmaram os militares israelitas.

Os meios de comunicação locais têm divulgado que o Egito e o enviado especial das Nações Unidas para o processo de paz, Nicolai Mladinov, trabalharam para terminarem as hostilidades, tratando-se do maior ataque de Israel a Gaza desde 2014.

O diário Haaretz afirma que Israel aceitou a trégua mas cita um oficial que condiciona a resposta de Israel ao que se for passando no terreno.

O Hamas e a Jihad Islâmica anunciaram hoje ter chegado a uma trégua para pôr fim aos ataques de Israel sobre a faixa de Gaza, parte de uma operação de grande escala que fez pelo menos dois mortos e 25 feridos palestinianos.

O primeiro-ministro israelita ameaçou "aumentar, se necessário, a intensidade dos ataques", que chamou "uma ação contundente contra o terrorismo do Hamas".

Dois jovens de 15 e 16 anos atingidos por estilhaços dos bombardeamentos e 25 pessoas ficaram feridas, segundo o Ministério da Saúde palestiniano.

Netanyahu garantiu que os ataques continuarão até que o movimento palestiniano "entenda a mensagem", com bombardeamentos sobre dezenas de objetivos, incluindo dois túneis, armazéns e fábricas de armas, centros de treino e outros.

Segundo indicaram responsáveis militares israelitas, trata-se de uma "operação em massa que está a acontecer em Gaza" e é uma represália por ataques contra Israel, nomeadamente "a grande quantidade de explosivos e projéteis incendiários e os 'rockets'" disparados para Israel.

Três civis israelitas ficaram hoje feridos quando um 'rocket' atingiu a sua casa, no sul. Segundo o exército israelita, cerca de uma centena daqueles projéteis e granadas de morteiro caíram hoje sobre Israel vindas da Faixa de Gaza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.