Israel atacou alvo em Gaza mesmo depois de anúncio de trégua

Dois jovens foram atingidos por estilhaços e 25 pessoas ficaram feridas na sequência do ataque

Israel anunciou este sábado que atacou uma posição de lançamento de morteiros na faixa de Gaza, pouco depois de o Hamas e a Jihad Islâmica terem dito que foi atingida uma trégua com a mediação do Egito.

Depois de soarem sirenes de ataque aéreo na cidade israelita de Eshkul, dois morteiros foram lançados a partir de Gaza e atingiram território israelita, levando o Exército a atacar o morteiro, afirmaram os militares israelitas.

Os meios de comunicação locais têm divulgado que o Egito e o enviado especial das Nações Unidas para o processo de paz, Nicolai Mladinov, trabalharam para terminarem as hostilidades, tratando-se do maior ataque de Israel a Gaza desde 2014.

O diário Haaretz afirma que Israel aceitou a trégua mas cita um oficial que condiciona a resposta de Israel ao que se for passando no terreno.

O Hamas e a Jihad Islâmica anunciaram hoje ter chegado a uma trégua para pôr fim aos ataques de Israel sobre a faixa de Gaza, parte de uma operação de grande escala que fez pelo menos dois mortos e 25 feridos palestinianos.

O primeiro-ministro israelita ameaçou "aumentar, se necessário, a intensidade dos ataques", que chamou "uma ação contundente contra o terrorismo do Hamas".

Dois jovens de 15 e 16 anos atingidos por estilhaços dos bombardeamentos e 25 pessoas ficaram feridas, segundo o Ministério da Saúde palestiniano.

Netanyahu garantiu que os ataques continuarão até que o movimento palestiniano "entenda a mensagem", com bombardeamentos sobre dezenas de objetivos, incluindo dois túneis, armazéns e fábricas de armas, centros de treino e outros.

Segundo indicaram responsáveis militares israelitas, trata-se de uma "operação em massa que está a acontecer em Gaza" e é uma represália por ataques contra Israel, nomeadamente "a grande quantidade de explosivos e projéteis incendiários e os 'rockets'" disparados para Israel.

Três civis israelitas ficaram hoje feridos quando um 'rocket' atingiu a sua casa, no sul. Segundo o exército israelita, cerca de uma centena daqueles projéteis e granadas de morteiro caíram hoje sobre Israel vindas da Faixa de Gaza.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).