Israel abate avião sírio nos montes Golã

O exército israelita anunciou que abateu um avião sírio no sul dos Montes Golã

Israel derrubou, esta terça-feira, um avião de guerra sírio enquanto este sobrevoava o sul dos Montes Golã, segundo o exército israelita.

"Dois mísseis Patriot foram lançados contra o avião sírio Sukhoi que se infiltrou a cerca de uma milha [dois quilómetros] no espaço aéreo israelita", pode ler-se no Twitter das Forças de Defesa israelitas.

O incidente acontece depois de o exército israelita ter emitido um comunicado em que dava conta do intensificar dos confrontos internos na Síria, "incluindo o aumento de atividade pelas forças aéreas sírias". "A IDF [Forças de Defesa de Israel] está preparada e vigilante e vai continuar a atuar contra a violação do acordo de separação de forças de 1974", refere o comunicado, citado pelo jornal Haaretz.

Antes de abater o avião sírio, Israel entrou em contacto com a Rússia para confirmar a nacionalidade do Sukhoi, segundo a CNN.

A Síria reagiu ao ataque dizendo que o avião encontrava-se a cumprir uma missão contra "grupos terroristas", referiu a televisão estatal Síria citada pela CNN.

Desde 1974 durante a Guerra de Yom Kipur que Israel anexou os Montes Golã, então território sírio.

Esta é a segunda vez que um avião sírio é abatido nesta região pelo exército israelita. A primeira foi em 2014, quando outro Sukhoi-24 foi abatido por mísseis Patriot. Nessa altura, os dois pilotos ejetaram-se e aterraram em território sírio.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.