Isolado, Assange continua na embaixada do Equador

Continua vigente mandado contra fundador da WikiLeaks. Advogados dizem que a sua saúde está a deteriorar-se.

Há "circunstâncias excecionais" que justificam a manutenção do mandado de captura contra Julian Assange, decidiu ontem a justiça britânica. Isto significa que se o fundador da WikiLeaks sair da embaixada do Equador em Londres, onde se encontra desde 19 de junho de 2012, será detido.

Nascido na Austrália e hoje com 46 anos, Assange procurou refúgio na representação diplomática equatoriana, violando as regras do regime de liberdade condicional a que se encontrava sujeito na Grã-Bretanha. Assange receava ser entregue às autoridades da Suécia, país no qual pendia então sobre ele acusações de assédio e violação. Temia que a justiça sueca o extraditasse para os Estados Unidos, onde é procurado pela divulgação de documentos diplomáticos e militares pela WikiLeaks. A ser julgado nos EUA, poderia ser condenado a prisão perpétua.

Dois meses após ter entrado na embaixada, o Equador concedeu-lhe asilo político.

Um dos advogados que representa Assange, Mark Summers, argumentou perante a juíza Emma Arbuthnot, responsável pelo tribunal onde se decidem casos de jurisdição especial e de extradição, que perante a anulação do mandado de detenção europeu pedido pela Suécia em finais de 2010, deixava de ter sentido a justiça britânica insistir na detenção do seu cliente. O caso perante a justiça sueca foi abandonado em maio de 2017.

Opinião contrária foi a do procurador Aaron Watkins, que salientou estar Assange "em liberdade condicional com as consequências decorrentes. Entre as quais, apresentar-se ao tribunal quando isso foi requerido, o que não fez. Como tal, o mandado deve manter-se". E foi neste sentido que decidiu a juíza Arbuthnot, continuando Assange na situação em que já viveu mais de dois mil dias na embaixada. Logo após a decisão, os advogados do australiano apresentaram novo recurso que a juíza irá apreciar na próxima terça-feira. Para estes, o estado de saúde de Assange, a quem os filhos ofereceram um gato em maio de 2016, está a deteriorar-se, física e psicologicamente.

Em fevereiro de 2016, os advogados de Assange levaram o caso ao grupo de trabalho sobre prisões arbitrárias das Nações Unidas, que decidiu a seu favor. Nem Londres nem Estocolmo reconheceram a decisão.

"Um aborrecimento"

Numa tentativa de ultrapassar o impasse, o Equador concedeu no início do ano nacionalidade equatoriana a Assange e tentou convencer Londres a aceitar que este obtivesse imunidade diplomática, o que lhe permitiria sair da embaixada e do país sem ser detido. Londres recusou.

Assange permanece assim num beco sem saída e está a tornar-se um elemento embaraçoso para o governo do Equador ao mesmo tempo que algumas das suas intervenções estão provocar perplexidade nos apoiantes. O exemplo mais flagrante foi o seu comportamento nas presidenciais americanas de 2016, com a divulgação pela WikiLeaks de mails da direção dos democratas e do diretor de campanha de Hillary Clinton. Assange foi considerado indiretamente responsável pela vitória de Donald Trump.

As autoridades equatorianas chegaram a bloquear o acesso do australiano à Internet a três dias da votação nos EUA, invocando o princípio de não intervenção nas questões internas de países terceiros. E o atual presidente, Lenin Moreno, no final de janeiro, qualificou a situação como "problema" e "muito mais do que um aborrecimento". Moreno declarou mesmo que Assange "devia imiscuir-se menos em assuntos de países" com os quais o Equador mantém "boas relações", isto quando o australiano multiplicava as mensagens no Twitter em defesa dos independentistas catalãs.

Mesmo nos meios normalmente afetos a Assange, como a Fundação para a Liberdade de Imprensa, começaram a mostrar algumas reticências sobre algumas das suas tomadas de posição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.