Irma deixa Barbuda "devastada" e 95% da parte francesa de Saint-Martin destruída

Furacão já fez pelo menos 10 vítimas mortais. Uma delas é uma criança de dois anos

O furacão Irma atingiu as Caraíbas, deixando a ilha de Barbuda "totalmente devastada" e 95% da parte francesa de Saint-Martin, nas Antilhas Pequenas, destruída, segundo informações oficiais divulgadas na noite de quarta-feira. No total, já morreram dez pessoas vítimas da intensidade da tempestade. Oito perderam a vida em Saint-Martin.

A pequena ilha de Barbuda, nas Caraíbas, foi "totalmente devastada" pela passagem do Irma, que causou a morte de uma pessoa, segundo o primeiro-ministro de Antígua e Barbuda, Gaston Browne.

"Por enquanto temos apenas registo de uma morte", disse Browne. No entanto, o furacão de categoria 5 causou a destruição da ilha que tem 1.600 habitantes, que agora "não é mais que um monte de destroços". A vítima mortal será uma criança de dois anos.

Também nas Caraíbas, a parte francesa da ilha franco-holandesa Saint-Martin ficou "95% destruída" com a passagem do Irma, disse na quarta-feira à noite o presidente do conselho territorial local, Daniel Gibbs.

"É uma catástrofe enorme. 95% da ilha está destruída. Estou em choque. É uma loucura", declarou ao telefone com a Rádio Caraíbas Internacional.

O número de vítimas mortais elevou-se para 10 depois da morte de uma pessoa na ilha de Anguilla, nordeste das Caraíbas, informaram as autoridades.

Naquela ilha, território britânico com cerca de 15.000 habitantes, 90% das estradas estão intransitáveis, segundo a agência de gestão de emergências das Caraíbas.

A morte em Anguilla junta-se às oito registadas nos territórios ultramarinos franceses de St. Martin e São Bartolomeu e à da criança de dois anos, em Barbuda.

O Irma é, segundo o instituto meteorológico Météo France, o mais longo furacão de categoria 5 na escala de Saffir-Simpson alguma vez registado no mundo, ao manter-se nesse grau, com ventos de 298 Km/hora, há mais de 33 horas.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.