Irão teve programa nuclear secreto, acusa Netanyahu

Horas após um bombardeamento à aliança de Assad, Telavive afirma que Teerão desenvolveu projeto de armas nucleares

Do Ministério da Defesa para o mundo, em inglês, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, revelou o que diz serem "arquivos nucleares secretos" que provam que o Irão tentou desenvolver secretamente armas nucleares. Netanyahu afirmou que o material obtido por Telavive mostra que Teerão mentiu. Numa apresentação em Powerpoint, o israelita mostrou o que diz serem "cópias exatas" de documentos obtidos pelos serviços secretos de um armazém em Teerão. São 55 mil páginas de provas e outros 55 mil arquivos em 183 CD do programa de armas nucleares chamado Projeto Amad, que tinha o objetivo de produzir cinco ogivas nucleares.

Em 2015 o Irão acordou com a comunidade internacional em restringir o programa de energia nuclear em troca do levantamento das sanções.

Os arquivos foram partilhados com os EUA e serão enviados à Agência Internacional de Energia Atómica. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que há muito ameaça romper o acordo nuclear, disse que a situação não é "aceitável" e que vai tomar uma decisão sobre o acordo até dia 12.

Noutra frente, os ataques de mísseis que atingiram várias bases militares sírias perto de Hama e Aleppo durante a noite de domingo, tendo causado grandes explosões, não foram reivindicados. O exército sírio limitou-se a culpar os seus inimigos pela "nova agressão".

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, com base em Londres, informou que pelo menos 26 pessoas foram mortas nos ataques de domingo, e que dezenas de outras estão desaparecidas. A maioria das vítimas serão iranianos e membros de uma milícia iraquiana apoiada pelo Irão.

Um porta-voz do Exército de Israel disse que não iria comentar sobre informações estrangeiras. Amos Yadlin, ex-chefe dos serviços secretos militares israelitas, disse à Reuters que Israel está provavelmente por trás dos ataques. "Israel tem que decidir: estamos a confrontar o Irão na Síria antes que tenham capacidade total de armas avançadas... ou esperamos que construam uma enorme capacidade militar na Síria e nos confrontemos numa guerra futura e paguemos um preço muito alto?", questionou.

A agência iraniana Fars reconhece que foi destruído armamento, mas desmente as baixas. No entanto, ao New York Times, uma fonte pró-Assad reconhece a morte de 16 pessoas, 11 das quais iranianas, no bombardeamento da base da 47.ª Brigada. Foram também destruídos 200 mísseis.

Durante a visita de ontem do deputado iraniano Alaeddin Boroujerdi a Bashar al-Assad, este afirmou que os novos ataques contra a Síria "só aumentam a determinação dos sírios para eliminar o terrorismo em todas as suas formas em defender a soberania e o direito de moldar o seu próprio futuro."

Os ataques militares e políticos, através de Netanyahu, acontecem após uma visita do novo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, à Arábia Saudita, Jordânia e Israel.

"Os americanos estão a tentar provocar os sauditas e certos países da região e colocá-los contra a República Islâmica, mas se tiverem sabedoria não serão enganados pelos Estados Unidos", afirmou o guia supremo iraniano, Ali Khamenei.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.