Irão lança exercícios militares após regresso das sanções dos EUA

Exército nacional e Guarda revolucionária participam nos exercícios com munições produzidas no próprio país.

O Irão iniciou exercícios militares de defesa aérea num momento em que os Estados Unidos voltaram a impor as sanções que tinham sido suspensas no âmbito do acordo nuclear que abrangeu várias potências mundiais.

A televisão estatal iraniana transmitiu imagens de sistemas de defesa e baterias antiaéreas durante manobras militares que começaram hoje e que se prolongam até terça-feira, numa vasta região do norte do país.

O general iraniano Habibillah Sayyari disse que tanto o exército nacional como a Guarda Revolucionária estão a participar nos exercícios e que toda a munição usada é produzida no Irão.

O início do exercício, um evento anual no calendário militar do Irão, coincide com o regresso das sanções dos Estados Unidos contra a indústria de petróleo, considerada vital para aquele país.

A Administração norte-americana espera que as sanções mudem as políticas do Irão na região, especialmente o apoio dado a grupos extremistas e o programa de mísseis balísticos.

O segundo pacote de sanções económicas dos Estados Unidos contra o Irão entrou em vigor no sábado. Este segundo pacote sancionatório incide sobre os setores do petróleo e gás, mas Teerão já disse que serão inúteis.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu sanções "em força" contra o Irão, por desrespeito do acordo nuclear e apelando à solidariedade internacional para boicotar totalmente a compra de petróleo àquele país árabe.

O Irão garante que tem cumprido com o acordo nuclear que estabeleceu com os Estados Unidos, no mandato de Barack Obama, e apela à Agência Internacional de Energia Atómica para confirmar o seu compromisso.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif, admitiu na terça-feira que as sanções vão afetar economicamente o país, mas acrescentou que elas não vão mudar as políticas iranianas, considerando-as "inúteis e fúteis", em declarações a um programa da estação de televisão norte-americana CBS.

O Irão tem vindo a reduzir as vendas de petróleo, com quebras de cerca de 800 mil barris diários, comparativamente aos números do início do corrente ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.