Irão acusa Arábia Saudita de apoiar terrorismo e desestabilizar região

República Islâmica do Irão e a Arábia Saudita romperam relações diplomáticas em janeiro de 2016

O governo do Irão acusou hoje a Arábia Saudita de criar e apoiar grupos terroristas e de desestabilizar a região do Médio Oriente com as suas políticas intervencionistas e, atualmente, com a sua aproximação a Israel.

"Os atuais dirigentes sauditas, ao lado de Israel, tornaram-se o símbolo da agressão e das atrocidades cometidas no Médio Oriente (...) interferindo nos assuntos internos de outros países da região agravam a instabilidade, as dificuldades e os problemas", declarou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Bahram Ghasemi, num comunicado.

Teerão respondeu deste modo a declarações feitas na terça-feira em Paris pelo príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, acusando o Irão de "apoiar o terrorismo".

Segundo a diplomacia iraniana, os países da região "nunca esquecerão o papel que a Arábia Saudita desempenhou apoiando e armando terroristas e extremistas violentos (...) como a Al-Qaida, o Daesh (acrónimo árabe do grupo Estado Islâmico) ou outros grupos semelhantes que cometeram inumeráveis atrocidades".

Após os atentados de 11 de setembro de 2001, realizados por 19 terroristas dos quais 15 eram sauditas, Riade foi acusada de favorecer o extremismo religioso, exportando o 'wahabismo', doutrina fundamentalista nascida na Arábia

Teerão critica o apoio incondicional de Riade ao dirigente iraquiano Saddam Hussein durante a guerra Irão-Iraque (1980-1988), a intervenção militar da Arábia Saudita no Iémen e a aparente aproximação da dinastia saudita com Israel nos últimos meses.

Envolvidos numa luta de influência no Médio Oriente, onde apoiam campos diferentes em vários conflitos (Síria, Iraque, Iémen, Líbano), a República Islâmica do Irão, xiita, e a monarquia saudita, sunita, romperam relações diplomáticas em janeiro de 2016.

Após os atentados de 11 de setembro de 2001, realizados por 19 terroristas dos quais 15 eram sauditas, Riade foi acusada de favorecer o extremismo religioso, exportando o 'wahabismo', doutrina fundamentalista nascida na Arábia.

Historicamente ligada à monarquia dos Saud, o 'wahabismo' inspirou a ideologia de numerosos grupos 'jihadistas'.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.