Iranianas encostam à parede a polícia dos costumes nas redes sociais

Chama-se #MyCameraIsMyWeapon e é a nova arma que as mulheres do Irão têm à sua disposição para revelar os abusos da polícia de costumes. O procurador gerral do Irão já confirmou que o telefone das iranianas era mesmo uma arma.

As iranianas decidiram expor nas redes sociais muitas das situações que consideram erradas na polícia de costumes, principalmente os abusos em relação ao entendimento sobre o uso incorreto dos véus com que são obrigadas a cobrir o rosto. A solução é simples e surgiu no hashtag #MyCameraIsMyWeapon (A minha câmara é a minha arma).

Segundo uma reportagem publicada no jornal francês Le Monde, com imagens de vários polícias expostos nas redes sociais, as mulheres iranianas contestam que tendo o país tantos problemas importantes, a força policial esteja mais preocupada com futilidades como a repressão constante a quem não usa esta peça de roupa, e com gastos dispendiosos dos impostos cobrados aos contribuintes.

Um dos primeiros vídeos data de 18 de abril e tornou-se viral entre mais de um milhão e meio de mulheres que consultam a conta de Masih Alinejad, em que uma mulher polícia questiona uma jovem mal coberta, que é atacada e sofre vários abanões até acabar derrubada no chão por uma agente que enverga um chador preto. Alinejad é uma jornalista da televisão que se recusa a esconder o cabelo e ficou famosa pela sua cabeleira nunca escondida. Em 2014 ela criou a página My Stealthy Freedom e desde aí o seu conteúdo tem sido sempre de forte oposição ao autoritarismo da polícia da virtude, tanto assim que foi obrigada a exilar-se em Londres após ter sido presa.

As reações ultrapassam o próprio Irão, sendo que muitas mulheres turcas, arménias e paquistanesas também denunciam os abusos nos seus países e, principalmente, apoiam as iranianas. O mesmo acontece em países como a França, onde a jurista parisiense Anton Struve republica, já traduzidos, os vídeos na sua conta do Twitter sob o hashtag #NousSommesLeursVoix (nós somos as suas vozes).

Segundo Masih Alinejad, os efeitos do #MyCameraIsMyWeapon são grandes e a polícia de costumes até já considerou, pela voz do procurador-geral da República Islâmica, Mohammad Jafar Montazeri, que o telemóvel das iranianas se "transformara numa arma".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.