O barranquenho uma "língua de contacto"?

Investigadores afirmam que o estudo segue uma abordagem partindo da perspetiva das línguas de contacto

A catedrática María Victoria Sánchez-Élez, da Universidade Complutuense de Madrid, defende que o barranquenho, dialeto circunscrito à região baixo-alentejana do concelho de Barrancos, é uma língua, definindo-se como "fala de contacto entre o português e o espanhol".

A autora faz esta afirmação na sua obra "O Barranquenho. Língua. Cultura. Tradição", em que apresenta o resultado de anos de investigação, na qual faz uma análise sociolinguística em que demonstra a relação que existe entre fatores linguísticos e fatores sociais, nos falantes do barranquenho.

Na nota de apresentação do livro, os investigadores Gabriela Vitorino e João Saramago, do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa, afirmam que este é "um trabalho pioneiro", que foi inicialmente dirigido por Lindley Cintra (1925-1991), referindo que graças ao trabalho de investigação da catedrática espanhola, "esta fala, entre dois países ibéricos, tem sido de novo reconhecida nos meios científicos universitários internacionais", e sublinham o interesse de investigadores espanhóis, brasileiros, uruguaios e galegos.

O estudo, publicado pelas Edições Colibri, segue uma abordagem partindo da perspetiva das línguas de contacto, afirmam os investigadores, expondo questões de morfologia, sintaxe e contextualização, "sem deixar de lado uma triagem do léxico de Barrancos".

"Estuda-se o barranquenho em si mesmo como resultado do contacto linguístico entre o português (variedade alentejana) e o espanhol (variedade extremanha e andaluza), e também desde uma perspetiva tendo em conta o sexo, o grau de formação e a idade", explica Sánchez-Élez.

O barranquenho, explica a linguista, "não é uma língua homogénea, por apresentar fenómenos de variação, que estão submetidos a regras não-arbitrárias".

A autora dedica um capítulo à literatura oral e tradicional, que inclui romances, contos, canções, música e anedotas, que "permanecem vivos na realidade barranquenha", atesta.

Quanto à obra, María Victoria Sánchez-Élez afirma que se "reelaborou toda a pesquisa já editada", e incluíram-se três textos inéditos, entre os quais "Testemunhos de Música Popular: O Bibo".

María Victoria Sánchez-Élez, de 69 anos, é catedrática na Faculdade de Filologia da Universidade Complutense de Madrid e colabora com o Grupo de Dialectologia & Diacronia no centro de Linguística da Universidade de Lisboa.

Entre outras obras, é autora de "Pastotil Castelhano. Vicente" (1989), "Romancero y Cancionero de Los Navalmorales" (2002) e "El Barranqueño. Un modelo de lenguas en contacto" (2011).

Os investigadores Gabriela Vitorino e João Saramago apontam esta obra da catedrática espanhola como "um trabalho pioneiro" e "fundamental para o conhecimento do barranquenho", que "servirá de modelo para outros estudos de línguas em contacto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.