Investigador boliviano pede abertura dos arquivos sobre Che Guevara

Che Guevara foi fuzilado no dia 9 de outubro pelo oficial subalterno do Exército boliviano, Mario Terán, um dia depois de ter sido capturado

O investigador boliviano Carlos Soria que dedicou quase meio século a estudar o grupo guerrilheiro de Che Guevara na Bolívia diz que ainda existem dúvidas para esclarecer e pede a abertura dos arquivos.

Soria, jornalista e investigador, contemporâneo da guerrilha guevarista na Bolívia, entre 1966 e 1967, conheceu pessoalmente militantes comunistas que integraram o grupo que combateu o Exército de La Paz, colocando a Bolívia no mapa da Guerra Fria.

Che Guevara foi fuzilado no dia 09 de outubro pelo oficial subalterno do Exército boliviano, Mario Terán, um dia depois de ter sido capturado, no sudoeste do país.

Para Carlos Soria, passados 50 anos sobre a morte de Guevara, é fundamental que a Bolívia, Cuba e Estados Unidos desclassifiquem os documentos militares da época para que sejam "esclarecidas todas as dúvidas" sobre os últimos dias do médico argentino, "comandante" da revolução cubana.

Soria critica o Estado boliviano por limitar o arquivo militar de La Paz aos investigadores militares acrescentando estar convencido de que existem fotografias e documentos que nunca foram divulgados.

"Oxalá os cubanos comecem também a abrir os arquivos para desclassificar mais informação que nos permitiria encontrar coisas que ainda não se conhecem", sublinha em entrevista à agência EFE.

De acordo com o investigador e jornalista, ainda não foi totalmente esclarecido o motivo que levou "Che" Guevara a decidir combater no sudoeste da Bolívia porque, frisa, "estava impaciente por ir para a sua terra natal, a Argentina" assim como há indícios de que planeava iniciar a "revolução" a partir do Peru.

"Talvez uma das principais dúvidas sejam: a forma, os motivos e, sobretudo, quem foram aqueles que decidiram afastar a hipótese do Peru, onde tinham decorrido treinos e preparação. Quem toma a decisão? Foi Fidel Castro? Foi o Che? Foi o aparelho de poder em Havana?" questiona o jornalista.

A divisão da coluna guerrilheira no sudoeste da Bolívia, entre "vanguarda" e "retaguarda" levanta também outras dúvidas sobre se a separação foi um "erro" de Che Guevara, um imprevisto ou se foi realmente impossível a reunião dos dois grupos de combatentes, em 1967.

A separação permitiu ao Exército aniquilar o foco guerrilheiro na região.

Estas dúvidas mostram que ainda "há muito para escavar e muitas coisas para interrogar", acrescentou.

Como investigador, autor de documentários sobre o tema, Soria afirma que reconhece dados, documentos assim como contesta a veracidade de fotografias que foram divulgadas ao longo dos anos.

Soria diz mesmo que "foi truncada" a conhecida imagem do agente da CIA Félix Rodríguez, ao lado do revolucionário argentino em que se encontram três soldados, em La Higuera, porque a luz do sol sobre a cara do agente reflete-se na diagonal e nos outros de forma vertical.

Soria critica também o Estado boliviano de manter o diário original manuscrito de Che Guevara no cofre do Banco Central de La Paz, sem condições de preservação.

O jornalista diz ainda que não se dedica à "história oficial" nem a "panegíricos sobre Guevara" motivo pelo qual, afirma, nunca foi convidado por Cuba a expôr a investigação que realizou.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.