Investigação responsabiliza agência de viagens pela morte de turistas mexicanos no Egito

Doze turistas morreram em setembro, bombardeados por aviões de combate, quando seguiam no deserto ocidental

A investigação ao ataque aéreo do exército egípcio que matou por engano oito turistas mexicanos e quatro egípcios, em setembro, indica que a agência turística que organizou a viagem é responsável pelo incidente, revelaram as autoridades mexicanas.

Os turistas morreram a 13 de setembro, quando aviões de combate, incluindo helicópteros do exército, bombardearam os veículos onde seguiam, a 250 quilómetros do Cairo, no deserto ocidental, popular entre os turistas.

Na quarta-feira, a ministra dos Negócios Estrangeiros do México, Claudia Ruiz Massieu, afirmou, em conferência de imprensa, que o Governo egípcio, responsável pela investigação, a tinha informado que "as autoridades administrativas e a agência de viagens deviam ter tido mais pormenores sobre as autorizações e que serão, por isso, potencialmente responsáveis".

De acordo com Ruiz Massieu, a "investigação está na fase final", segundo informou o Governo egípcio.

O Governo egípcio, que tinha disponibilizado pouca informação sobre o caso, afirmou que o exército tinha atingido o grupo "por engano", quando perseguia "terroristas", mas sublinhou que os turistas se encontravam numa "zona interdita".

O ministro dos Negócios Estrangeiros egípcio, Sameh Choukry, prometeu, em setembro, uma "investigação aprofundada e transparente", mas o procurador-geral proibiu os meios de comunicação de publicarem toda a informação sobre os acontecimentos ou a investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.