Inundações transformam estação ferroviária numa piscina pública

Água foi drenada no domingo à noite e a circulação foi reposta na manhã seguinte

No último fim de semana, a Suécia foi fustigada por chuvas torrenciais que provocaram o caos nos transportes públicos. Na localidade de Uppsala, nos arredores de Estocolmo, uma estação de comboios estava de tal forma inundada que foi transformada numa piscina.

O povo sueco aproveitou a situação para trazer boias, barbatanas, barcos insufláveis e óculos de mergulho, para que fosse possível nadar e mergulhar em segurança. O momento foi posteriormente divulgado nas redes sociais.

"Não diria que foi a água mais fresca em que já me banhei. Claro que depois tive de ter uma verdadeira esfoliação no duche", contou a fotógrafa Sarah Thorén, que partilhou um vídeo no Instagram.

Antes, as forças de segurança tinham pedido às pessoas para que abandonassem o local porque havia o risco de a água provocar choques elétricos, o que não veio a acontecer.

Com efeito, a água foi drenada no domingo à noite e na segunda-feira de manhã a circulação de comboios voltou à normalidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.