Inspetores recolhem amostras em Douma

Missão cumprida duas semanas após bombardeamento e uma após chegada dos peritos. Rebeldes em perda junto a Damasco

Inspetores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) visitaram Douma, na Síria, para recolher amostras de um ataque que terá acontecido há duas semanas. A equipa estava há vários dias a tentar chegar ao local, mas uma força de segurança da ONU, que fazia o reconhecimento do local, chegou a ser alvejada. A Rússia culpou os rebeldes; EUA e França acusaram Moscovo de obstruir o acesso à zona atacada.

A OPAQ esclareceu em comunicado que vai avaliar se precisa de fazer segunda visita a Douma. As amostras vão ser transportadas para a Holanda. Com base na análise dos resultados da amostra e de outras informações e materiais, a equipa irá tentar determinar se foram usadas armas químicas e, em caso afirmativo, quais. A OPAQ recebeu no dia 10 um pedido de Damasco para investigar o bombardeamento que, segundo organizações como os Capacetes Brancos, terá matado dezenas de pessoas com produtos químicos.

Estas acusações - negadas pelo governo de Assad bem como por Moscovo - desencadearam a retaliação dos Estados Unidos, da França e do Reino Unido, no dia 14, quando bombardearam três instalações relacionadas com armas químicas.

No que respeita ao conflito, o regime de Assad continua a ganhar terreno nos arredores da capital. Depois de ter tomado Ghouta Oriental, segue-se o enclave de Qalamoun, 40 quilómetros a nordeste de Damasco. Após o exército russo ter intensificado o bombardeamento da localidade, as fações do Exército Sírio Livre renderam--se e estão em retirada para Idlib e Jarablus, territórios controlados pelos rebeldes junto à fronteira com a Turquia. Segundo a TV estatal síria são 3200 combatentes e famílias.

Agora, os exércitos sírio e dos aliados viram-se para o último enclave junto à capital, neste caso a sul: o bairro Al-Hajar al-Aswad, onde o Estado Islâmico e outros grupos estão presentes. O enclave inclui o campo de refugiados palestinianos de Yarmouk.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.