Inglaterra vai permitir que as mulheres tomem medicação para o aborto em casa

Até agora, todos os procedimentos abortivos tinham de ser feitos em contexto hospitalar, mas a mulher abandonava a clínica logo após a toma do segundo comprimido, pelo que, em muitos casos, os efeitos do aborto - sangramento, dor - começavam a caminho de casa

Uma mulher que queira interromper a gravidez em Inglaterra, até às dez semanas de gestação, tem de tomar dois medicamentos - Mifepristone e Misoprostol - numa clínica, com 24 a 48 horas de intervalo entre as tomas. Após uma forte campanha de ativistas para a realização do aborto em casa, o governo anunciou este sábado que irá legalizar o uso doméstico de medicamentos para interrupção da gravidez em casa, permitindo a ingestão do segundo comprimido fora do contexto hospitalar.

A decisão, anuncia o The Guardian, segue os passos dados pela Escócia, que no ano passado se tornou a primeira parte do Reino Unido a permiti-lo, e pelo País de Gales, que em julho anunciou que iria tomar a mesma medida.

Atualmente, as mulheres saem das clínicas logo depois de tomar o Misoprostol, o que, segundo o Departamento de Saúde e Assistência Social, pode provocar stresse e traumas desnecessários, já que algumas mulheres começam sentir os efeitos do aborto - sangramento, dor, náuseas - ainda durante o caminho para casa.

Com a nova legislação, conta a publicação britânica, as mulheres podem interromper a gravidez num ambiente seguro e familiar.

Lesley Regan, presidente do colégio de Obstetrícia e Ginecologia, considera que a legalização da toma do Misoprostol em casa "é um grande passo à frente pela saúde das mulheres". Uma "medida simples e prática", que permitirá que as mulheres "evitem a aflição e o constrangimento do sangramento e dor" no regresso a casa, ou até mesmo de uma segunda visita ao hospital ou clínica.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.