Informático pôs casa no Airbnb para espiar hóspedes com câmaras ocultas

Homem de 45 anos foi detido depois de um grupo de amigos se aperceber de vários "despertadores" estranhos espalhados pela casa

Um grupo de sete amigos que decidiu passar o final de ano em Cran-Gevrier, nos arredores de Annecy, em França, arrendou no Airbnb uma casa para o último fim de semana de 2017. Mas um deles deparou-se com estranho despertador na casa de banho, de frente para a cabine do duche.

Depois de o examinar, percebeu que o aparelho escondia afinal uma objetiva e um cartão de memória, relata a imprensa francesa. Outro "despertador" semelhante estava colocado num dos quartos do imóvel, de frente para a cama, e aparentemente ambos tinham a mesma função: espiar os hóspedes que passavam pela casa.

As imagens eram transmitidas em permanência para o smartphone do dono do alojamento, um informático de 45 anos que rapidamente se apercebeu de que tinha sido descoberto e tentou ainda justificar-se perante o grupo que lhe arrendara a casa. Sem sucesso, acabou por ser detido no primeiro dia do ano e libertado dois dias depois.

A polícia abriu um inquérito e todo o material informático do voyeur foi apreendido. O informático incorre agora numa pena de um ano de prisão, mas não deverá escapar ao pagamento de indemnizações aos hóspedes que recebeu no imóvel: só em 2017, foram 90 pessoas. Porém, o homem arrendava a casa no Airbnb há cerca de três anos, pelos que as vítimas podem ascender às centenas.

Não é a primeira vez que são registados casos de voyeurismo em alojamentos do Airbnb. O fenómeno está a preocupar a empresa, que já garantiu levar a prática muito a sério e tudo fazer para combater comportamentos indecorosos dos anfitriões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.