Infantário na Indonésia mascarou crianças de jihadistas

"Nós só usámos estes adereços, que já tínhamos, para poupar despesas aos pais", justificou o diretor

Crianças de um jardim-de-infância na cidade de Probolinggo, na Indonésia, participaram numa parada mascardas de jihadistas, no passado sábado, durante as celebrações do Dia da Independência do país. O diretor do infantário já lamentou a ideia e diz que nunca foi sua intenção "ensinar violência aos alunos".

"Nós abordámos o tema da luta do profeta para aumentar a fé e a devoção a Alá", declarou o diretor do infantário localizado num complexo militar, Suhartatik, citado pelo The Guardian. A ideia dos alunos do TK Kartika desfilarem, no dia a seguir ao Dia da Independência (17 de agosto), com véus negros estilo niqab e pedaços de cartão em forma de armas surgiu para aproveitar adereços que já possuíam.

"Nós só usámos estes adereços, que já tínhamos, para poupar despesas aos pais. Peço muita desculpa", disse Suhartatik, citado pelo The Straits Times. "Eu nunca quis ensinar violência aos meus alunos", acrescenta.

No final da parada, o tenente-coronel Kav Depri Rio Saransi referiu, segundo o The Guardian, que, embora o evento possa servir também informar os estudantes sobre a "luta do islamismo", não pode ser usado para "promover o radicalismo religioso".

Nas redes sociais as imagens das crianças mascaradas tornaram-se virais e espoletaram comentários no Parlamento da Indonésia. O político Bambang Soesatyo descreveu a situação como "um espetáculo inapropriado". "Este género de tratamento pode prejudicar as ideias das crianças", disse.

A parada aconteceu no dia em que a Indonésia estava a ser alvo de muita atenção por receber a cerimónia de abertura da 18.ª edição dos Jogos Asiáticos, em Jacarta. O maior evento desportivo a seguir aos Jogos Olímpicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.