Infantário na Indonésia mascarou crianças de jihadistas

"Nós só usámos estes adereços, que já tínhamos, para poupar despesas aos pais", justificou o diretor

Crianças de um jardim-de-infância na cidade de Probolinggo, na Indonésia, participaram numa parada mascardas de jihadistas, no passado sábado, durante as celebrações do Dia da Independência do país. O diretor do infantário já lamentou a ideia e diz que nunca foi sua intenção "ensinar violência aos alunos".

"Nós abordámos o tema da luta do profeta para aumentar a fé e a devoção a Alá", declarou o diretor do infantário localizado num complexo militar, Suhartatik, citado pelo The Guardian. A ideia dos alunos do TK Kartika desfilarem, no dia a seguir ao Dia da Independência (17 de agosto), com véus negros estilo niqab e pedaços de cartão em forma de armas surgiu para aproveitar adereços que já possuíam.

"Nós só usámos estes adereços, que já tínhamos, para poupar despesas aos pais. Peço muita desculpa", disse Suhartatik, citado pelo The Straits Times. "Eu nunca quis ensinar violência aos meus alunos", acrescenta.

No final da parada, o tenente-coronel Kav Depri Rio Saransi referiu, segundo o The Guardian, que, embora o evento possa servir também informar os estudantes sobre a "luta do islamismo", não pode ser usado para "promover o radicalismo religioso".

Nas redes sociais as imagens das crianças mascaradas tornaram-se virais e espoletaram comentários no Parlamento da Indonésia. O político Bambang Soesatyo descreveu a situação como "um espetáculo inapropriado". "Este género de tratamento pode prejudicar as ideias das crianças", disse.

A parada aconteceu no dia em que a Indonésia estava a ser alvo de muita atenção por receber a cerimónia de abertura da 18.ª edição dos Jogos Asiáticos, em Jacarta. O maior evento desportivo a seguir aos Jogos Olímpicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.