Inédito mundial. Luxemburgo vai ter todos os transportes públicos grátis

Novo governo liderado por Xavier Bettel tomou posse, dias depois de ter anunciado a legalização da canábis. Agora vai estender a gratuitidade dos transportes públicos a todos como medida para desincentivar o uso do automóvel.

A chamada coligação Gâmbia, formada pelo azul do Partido Democrata, do vermelho do Partido Socialista, e do verde dos Verdes, renovou a coligação governamental iniciada em 2013. Até 2023, um dos países mais ricos da União Europeia vai investir mais no ambiente e nos serviços públicos e a medida bandeira dessa política vai ser o alargamento da gratuitidade dos transportes públicos a toda a gente. Até agora, só os jovens é que estão isentos de pagar pelos transportes.

A medida irá entrar em vigor a partir do verão de 2019 e tem como objetivo encorajar mais pessoas a deslocarem-se de transportes públicos em vez de automóvel. O tráfego na Cidade do Luxemburgo é um problema complicado.

Mil milhões por ano

O sistema de transportes públicos do Luxemburgo custa mil milhões de euros por ano. Só tem 30 milhões de receitas - além da isenção aos mais novos, até agora os cidadãos podiam pagar um passe anual para comboio, autocarro e elétrico de 150 euros.

O Luxemburgo passa a ser o primeiro país do mundo a ter transportes gratuitos.

Na Estónia, os transportes públicos são gratuitos na capital, Tallinn, desde 2013. Em julho, a medida foi alargada às regiões que mostraram interesse no sistema. Mas das 15 regiões que formam o país, três optaram por manter o pagamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.