Indemnizações para crianças soldados fixadas em 8,4 milhões de euros

Os juízes, embora tenham registado 425 vítimas, não conseguiram determinar o número preciso, mas afirmam que "centenas, senão milhares" foram afetadas pelos crimes

O Tribunal Penal Internacional (TPI) fixou hoje em 10 milhões de dólares (8,4 milhões de euros) o montante das indemnizações coletivas para as crianças soldados forçadas a combater na milícia do ex-senhor da guerra congolês Thomas Lubanga.

O valor total de 10 milhões de dólares "inclui tanto a responsabilidade relativa às 425 vítimas que integram a amostra, quanto a responsabilidade pelo conjunto das outras vítimas potencialmente elegíveis", declarou o juiz Marc Perrin de Brichambaut.

Embora tenham registado 425 vítimas diretas ou indiretas entre os candidatos a indemnizações, os juízes não conseguiram determinar o número preciso de vítimas, mas afirmaram que "centenas, senão milhares de outras vítimas foram afetadas pelos crimes de Lubanga".

Condenado a 14 anos de prisão, o ex-líder da União dos Patriotas Congoleses (UPC) foi reconhecido culpado em 2012 de ter recrutado crianças, algumas de apenas 11 anos, e de as ter utilizado como soldados ou guarda-costas em 2002 e 2003 em Ituri, no nordeste da República Democrática do Congo.

Como Thomas Lubanga não tem meios, o tribunal pediu ao Fundo Fiduciário em Benefício das Vítimas do TPI para "indicar se está em condições de atribuir um montante suplementar para a implementação das indemnizações coletivas no presente caso".

O Fundo já concedeu um milhão de euros para o caso e propôs um plano de ação de três anos para "reconciliar as vítimas com as suas famílias e as comunidades afetadas".

Este órgão independente previsto no Estatuto de Roma, tratado fundador do TPI, recebe contribuições voluntárias de governos membros do TPI, de organizações internacionais e de particulares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".