Familiares de vítimas mortais processam autoridades gregas

As vítimas, duas professoras de 70 e 73 anos, ficaram presas pelas chamas quando tentavam fugir de suas casas

Familiares de dois mortos pelos incêndios da Grécia entraram com uma ação contra as autoridades devido à forma como ocorreu a resposta ao desastre, acusando-os de homicídio por negligência e exposição criminosa de pessoas ao perigo, entre outros crimes.

As vítimas, duas professoras de 70 e 73 anos, ficaram presas pelas chamas quando tentavam fugir de suas casas em Neo Voutza, localidade vizinha de Mati, a área mais afetada pelos incêndios de 23 de julho e que fica a nordeste da capital grega.

Os seus corpos queimados foram encontrados um dia depois do incêndio.

Cerca de 90 pessoas morreram nos incêndios, que dizimou a área balnear de Mati, na península Ática, e que dista cerca de 30 quilómetros de Atenas.

O número exato de vítimas mortais ainda está por quantificar, e os médicos legistas trabalham para identificar os restos mortais das vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.