Familiares de vítimas mortais processam autoridades gregas

As vítimas, duas professoras de 70 e 73 anos, ficaram presas pelas chamas quando tentavam fugir de suas casas

Familiares de dois mortos pelos incêndios da Grécia entraram com uma ação contra as autoridades devido à forma como ocorreu a resposta ao desastre, acusando-os de homicídio por negligência e exposição criminosa de pessoas ao perigo, entre outros crimes.

As vítimas, duas professoras de 70 e 73 anos, ficaram presas pelas chamas quando tentavam fugir de suas casas em Neo Voutza, localidade vizinha de Mati, a área mais afetada pelos incêndios de 23 de julho e que fica a nordeste da capital grega.

Os seus corpos queimados foram encontrados um dia depois do incêndio.

Cerca de 90 pessoas morreram nos incêndios, que dizimou a área balnear de Mati, na península Ática, e que dista cerca de 30 quilómetros de Atenas.

O número exato de vítimas mortais ainda está por quantificar, e os médicos legistas trabalham para identificar os restos mortais das vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.