Greenpeace avisa: Incêndios e ondas de calor são alerta para a urgência de controlar o clima

"Precisamos urgentemente controlar as alterações climáticas", alerta a Greenpeace referindo-se aos incêndios na Grécia e às ondas de calor no Japão

A organização ecologista Greenpeace disse esta quarta-feira que os incêndios e as ondas de calor dos últimos dias são "consistentes com as previsões de um mundo alterado pelo clima" e que é "cada vez mais urgente controlar as alterações climáticas".

Face aos incêndios florestais na Grécia e às ondas de calor do Japão, que mataram dezenas de pessoas, a Greenpeace considera, em comunicado, que a mudança climática é um "fator claro quando as temperaturas "ainda estão a menos de um grau de aquecimento desde os níveis pré-industriais".

Os fogos no leste da Rússia e no Quebeq e Ontário, no Canadá, tornam este fenómeno "verdadeiramente global".

"Embora existam muitos fatores complexos que intervêm nestes eventos climáticos extremos", o que está a acontecer é "consistente com as previsões de um mundo alterado pelo clima"

"Precisamos urgentemente controlar as alterações climáticas" para "prevenir futuros eventos climáticos extremos", disse em comunicado Bunny McDiarmid, diretora executiva do Greenpeace Internacional.

Para McDiarmid, "embora existam muitos fatores complexos que intervêm nestes eventos climáticos extremos", o que está a acontecer é "consistente com as previsões de um mundo alterado pelo clima".

A onda de calor no Japão fez pelo menos 80 mortos e levou 35 mil pessoas a receber tratamento hospitalar em três semanas.

Na passada semana, quando as temperaturas ultrapassaram os 35 graus, registaram-se 65 mortos, de acordo com a agência de gestão de incêndios e desastres. Quinze mortes tinham já sido declaradas nas duas semanas anteriores.

Na Grécia os incêndios causaram, pelo menos, 80 mortos, e os fogos que lavraram na região de Atenas causaram quase duas centenas de feridos, alguns em estado crítico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.