Greenpeace avisa: Incêndios e ondas de calor são alerta para a urgência de controlar o clima

"Precisamos urgentemente controlar as alterações climáticas", alerta a Greenpeace referindo-se aos incêndios na Grécia e às ondas de calor no Japão

A organização ecologista Greenpeace disse esta quarta-feira que os incêndios e as ondas de calor dos últimos dias são "consistentes com as previsões de um mundo alterado pelo clima" e que é "cada vez mais urgente controlar as alterações climáticas".

Face aos incêndios florestais na Grécia e às ondas de calor do Japão, que mataram dezenas de pessoas, a Greenpeace considera, em comunicado, que a mudança climática é um "fator claro quando as temperaturas "ainda estão a menos de um grau de aquecimento desde os níveis pré-industriais".

Os fogos no leste da Rússia e no Quebeq e Ontário, no Canadá, tornam este fenómeno "verdadeiramente global".

"Embora existam muitos fatores complexos que intervêm nestes eventos climáticos extremos", o que está a acontecer é "consistente com as previsões de um mundo alterado pelo clima"

"Precisamos urgentemente controlar as alterações climáticas" para "prevenir futuros eventos climáticos extremos", disse em comunicado Bunny McDiarmid, diretora executiva do Greenpeace Internacional.

Para McDiarmid, "embora existam muitos fatores complexos que intervêm nestes eventos climáticos extremos", o que está a acontecer é "consistente com as previsões de um mundo alterado pelo clima".

A onda de calor no Japão fez pelo menos 80 mortos e levou 35 mil pessoas a receber tratamento hospitalar em três semanas.

Na passada semana, quando as temperaturas ultrapassaram os 35 graus, registaram-se 65 mortos, de acordo com a agência de gestão de incêndios e desastres. Quinze mortes tinham já sido declaradas nas duas semanas anteriores.

Na Grécia os incêndios causaram, pelo menos, 80 mortos, e os fogos que lavraram na região de Atenas causaram quase duas centenas de feridos, alguns em estado crítico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.