Greenpeace avisa: Incêndios e ondas de calor são alerta para a urgência de controlar o clima

"Precisamos urgentemente controlar as alterações climáticas", alerta a Greenpeace referindo-se aos incêndios na Grécia e às ondas de calor no Japão

A organização ecologista Greenpeace disse esta quarta-feira que os incêndios e as ondas de calor dos últimos dias são "consistentes com as previsões de um mundo alterado pelo clima" e que é "cada vez mais urgente controlar as alterações climáticas".

Face aos incêndios florestais na Grécia e às ondas de calor do Japão, que mataram dezenas de pessoas, a Greenpeace considera, em comunicado, que a mudança climática é um "fator claro quando as temperaturas "ainda estão a menos de um grau de aquecimento desde os níveis pré-industriais".

Os fogos no leste da Rússia e no Quebeq e Ontário, no Canadá, tornam este fenómeno "verdadeiramente global".

"Embora existam muitos fatores complexos que intervêm nestes eventos climáticos extremos", o que está a acontecer é "consistente com as previsões de um mundo alterado pelo clima"

"Precisamos urgentemente controlar as alterações climáticas" para "prevenir futuros eventos climáticos extremos", disse em comunicado Bunny McDiarmid, diretora executiva do Greenpeace Internacional.

Para McDiarmid, "embora existam muitos fatores complexos que intervêm nestes eventos climáticos extremos", o que está a acontecer é "consistente com as previsões de um mundo alterado pelo clima".

A onda de calor no Japão fez pelo menos 80 mortos e levou 35 mil pessoas a receber tratamento hospitalar em três semanas.

Na passada semana, quando as temperaturas ultrapassaram os 35 graus, registaram-se 65 mortos, de acordo com a agência de gestão de incêndios e desastres. Quinze mortes tinham já sido declaradas nas duas semanas anteriores.

Na Grécia os incêndios causaram, pelo menos, 80 mortos, e os fogos que lavraram na região de Atenas causaram quase duas centenas de feridos, alguns em estado crítico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.