Incêndio nos arredores de Paris deixa cinco crianças em estado muito grave

É o segundo incêndio grave em Aubervilliers em menos de um mês. A 30 de julho um incêndio num imóvel camarário provocou a morte de quatro pessoas e deixou nove feridos.

Um incêndio que deflagrou na tarde de domingo num edifício residencial em Aubervilliers, perto de Paris, provocou sete feridos graves, dos quais cinco crianças em "urgência absoluta".

Segundo os bombeiros parisienses, uma dezena de polícias que foram enviados para o local também foram afetados, sem gravidade, pelo incêndio, que começou cerca das 19:00 (18:00 em Portugal continental) e que foi controlado meia hora depois, segundo um porta-voz dos bombeiros de Paris.

Segundo a autarquia, o fogo deflagrou num prédio de dois andares e foi combatido por uma centena de bombeiros. A origem do incêndio, disse a mesma fonte, é para já desconhecida.

Trata-se do segundo incêndio grave em Aubervilliers em menos de um mês. A 30 de julho um incêndio num imóvel camarário provocou a morte de quatro pessoas e deixou nove feridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".