Califórnia enfrenta o incêndio mais grave da sua história

As chamas destruíram, pelo menos, 143 edifícios, dos quais 75 casas, e ameaça cerca de 9300 estruturas

O incêndio florestal que lavra desde 27 de julho no norte da Califórnia, alimentado por vegetação seca, vento e altas temperaturas, já é o mais grave da história daquele estado norte-americano.

O incêndio, conhecido como 'Mendocino Complex' e que tem duas frentes ativas já consumiu 114.850 hectares de terra, uma área semelhante ao tamanho da cidade de Los Angeles, informaram as autoridades na segunda-feira.

No mesmo dia, o Departamento Florestal e de Proteção contra Incêndios indicou que o incêndio está controlado em 30%, prevendo-se que fique extinto na próxima semana.

Até ao momento, as chamas destruíram pelo menos 143 edifícios, dos quais 75 casas, e ameaça cerca de 9300 estruturas.

Atualmente, mais de 14 mil bombeiros lutam contra uma dúzia de incêndios ativos na Califórnia, que já fizeram arder mais 226.000 hectares

De acordo com especialistas, os anos de seca criaram as condições ideais para que os incêndios florestais de grande escala se propaguem a maior velocidade. Dos cinco maiores incêndios florestais na história do estado da Califórnia, quatro aconteceram desde 2012.

Atualmente, mais de 14 mil bombeiros lutam contra uma dúzia de incêndios ativos na Califórnia, que já fizeram arder mais 226.000 hectares, de acordo com o Departamento de Florestas e Proteção contra Incêndios, Scott McLean.

O incêndio 'Carr', próximo da localidade de Redding, fez sete mortos e destruiu mais de mil habitações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.