Incêndio mata pelo menos 17 estudantes na Tailândia

As causas do incêndio no dormitório de uma escola ainda são desconhecidas. Duas adolescentes estão desaparecidas

Pelo menos 17 meninas morreram enquanto dormiam devido a um incêndio que atingiu o dormitório da sua escola no norte da Tailândia, informou hoje o comandante da polícia, acrescentando que várias jovens ficaram feridas ou estão desaparecidas.

"O incêndio começou às 23:00 de domingo (17:00 em Lisboa). Dezassete meninas morreram e duas estão desaparecidas, além de cinco feridas", disse à AFP Prayad Singsin, comandante da polícia de Vingpatao, em Chiang Rai.

A escola acolhe meninas com idades entre os três e os 13 anos, informou.

Um segundo polícia da mesma esquadra indicou que a escola recebe alunas de localidades empobrecidas das zonas montanhosa.

"O fogo foi apagado, mas as suas causas ainda estão sob investigação", disse Prayad, indicando que especialistas forenses vão hoje deslocar-se ao local.

Fotografias publicadas na página de Facebook da escola mostram os bombeiros com dificuldade em combater as chamas que envolvem o edifício de dois andares.

As comunidades tribais das montanhas não têm muitas vezes acesso aos recursos estatais, sendo prejudicadas ao nível do ensino e da saúde.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.