Incêndio mata pelo menos 17 estudantes na Tailândia

As causas do incêndio no dormitório de uma escola ainda são desconhecidas. Duas adolescentes estão desaparecidas

Pelo menos 17 meninas morreram enquanto dormiam devido a um incêndio que atingiu o dormitório da sua escola no norte da Tailândia, informou hoje o comandante da polícia, acrescentando que várias jovens ficaram feridas ou estão desaparecidas.

"O incêndio começou às 23:00 de domingo (17:00 em Lisboa). Dezassete meninas morreram e duas estão desaparecidas, além de cinco feridas", disse à AFP Prayad Singsin, comandante da polícia de Vingpatao, em Chiang Rai.

A escola acolhe meninas com idades entre os três e os 13 anos, informou.

Um segundo polícia da mesma esquadra indicou que a escola recebe alunas de localidades empobrecidas das zonas montanhosa.

"O fogo foi apagado, mas as suas causas ainda estão sob investigação", disse Prayad, indicando que especialistas forenses vão hoje deslocar-se ao local.

Fotografias publicadas na página de Facebook da escola mostram os bombeiros com dificuldade em combater as chamas que envolvem o edifício de dois andares.

As comunidades tribais das montanhas não têm muitas vezes acesso aos recursos estatais, sendo prejudicadas ao nível do ensino e da saúde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?