Incêndio destrói parte de igreja de "O Código da Vinci" (com vídeo)

As chamas foram rapidamente controladas

Parte da igreja católica parisiense de Saint Sulpice, usada nas filmagens do "Código da Vinci", ardeu este domingo. O incêndio foi extinto pelos bombeiros locais pouco depois de ter deflagrado, segundo a agência Reuters.

O fogo começou ao início da tarde, quando quatro pessoas se encontravam dentro do edifício. No entanto, não há registo de feridos.

A igreja de Saint Sulpice, localizada no bairro de Saint Germain des Pres, foi construída sobre um templo romano do século XII e foi sendo ampliada ao longo dos anos. É a segunda maior da capital francesa; a primeira é a catedral Notre Dame. No interior, figuravam três pinturas de Eugene Delacroix - um dos principais artistas franceses do movimento romântico do século XIX.

As causas do incêndio estão ainda por apurar bem como os danos provados.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?